Saudade

terça-feira, 25 de dezembro de 2012
Saudade é uma coisa boa ou ruim? Depende do ponto de vista!
Para mim é uma coisa boa!
Sentir saudade de uma época boa da vida. E lembrar com aquela vontade de voltar a viver aquilo de novo. Essa saudade tem o nome de nostalgia!
Daquela pessoa que você ama e foi apenas passar uns dias fora, mas mesmo assim o seu coração fica apertado e com uma falta dela.
Quando a pessoa volta, você dá aquele abraço bem apertado e fica conversando por horas e mais horas e se diverte muito.
Ou até daquela pessoa que já partiu para o outro lado...
Você sente falta dela e fica pensando que ela poderia estar alí, com você, rindo também. Se lembra como ela era uma pessoa maravilhosa.
Por esses motivos a saudade pode ser considerada uma coisa boa!
É tão bom poder sentir saudade e não apenas falta como se diz em outras línguas.

Sentir demais



Temos essa mania de sentir demais! De levar todos os nossos sentimentos ao extremo.
Ou estamos triste demais, ou felizes demais ou entediados demais.
Quando felizes, até esquecemos do que está a nossa volta.
Mas, a tristeza... Ela é um martírio! Um drama!
Ficamos lembrando da dor e fixando ela na cabeça. Ficamos com o pensamento naquilo o tempo todo, sentindo e fazendo drama. Afinal, o drama vem do ficar sentindo.
Sinta uma vez e pronto! Não fique lembrando. Pode fazer com que demore mais a passar.Esqueça!
As vezes só se merece isso, a lembrança não é uma virtude que lhes convém.
Fique triste sim! Mas por apenas um dia, não por semanas ou meses.
Assim como a felicidade vai embora rápido de vez em quando, a tristeza também.

Opostos

domingo, 23 de dezembro de 2012

Quem escreve pequenos textos tem essa mania de usar imagens de coisas opostas. Amor x ódio; branco x preto são exemplos.
Adoram construir e passar os seus sentimentos com ideias contraditórias e até que se anulam. Gostam dessa coisa de oposto! Essa coisa de outro lado do espelho, onde direita é esquerda e esquerda é direta.
Deve ser culpa dessa confusão de sentimentos e pensamentos, onde um se sobrepõe ao outro.
Com o diferente, nós identificamos e entendemos melhor o que se quer dizer. Mostrar o outro extremo ajuda a entender o primeiro.
E assim de opostos, são feitos os textos e até o nosso mundo!

Chuva!

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Estou fazendo as minhas coisas e de repente começa a chover. Eu sei disso porque escutei o som das trovoadas. Corro para a janela para observar!
Vejo os trovões, os raios e os pingos de água. Vejo aquilo tudo acontecendo.
Não consigo evitar de lembrar de mim!
As trovões são como meus gritos, de raiva, de dor, de querer ser ouvido.
Os raios são como meus pensamento, a forma como eles se espalham dentro de mim e depois somem.
E a chuva? Bem, a chuva são as minhas lágrimas, fora de controle.
Observei a chuva, me identificando com ela e acompanhando-a.
Quando acabou, tudo o que eu sentia foi embora. Senti-me bem e mais leve!
Às vezes, só precisamos desabafar!

Não é por mal!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Desculpe-me de ser assim desse meu jeito: Sincera, tímida, desajeitada.
Eu falo o que me vem a cabeça, nem penso se vai prestar ou não. E nem ligo se as pessoas vão gostar ou não. É bom ouvir uma verdade na cara de vez em quando, sabe!
Isto também quando eu resolvo falar, só me abro e solto o verbo mesmo com quem é íntimo meu. Se for íntimo, já era, não calo mais a boca.
Não ter muito jeito para fazer muitas coisas. Correr esquisito, andar esquisito, gestos esquisitos. Ainda ter uma grande habilidade de derrubar as coisas ou de se embolar com elas.
Sinceramente, me desculpe! Eu não sou perfeita e tenho certeza que você também não.

Mais um texto sobre escrever...



Os escritores, seja lá do que eles forem, prosa ou poesia, sempre se colocam no que escrevem. 
Sempre há um pouco (em alguns casos, bastante) do escritor em seus textos.
A culpada disso é a introspecção, o escritor se fecha para criar. Eles se inspiram neles mesmos e no que está a sua volta.

Inspiração na realidade

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

É bom se inspirar na realidade, no seu cotidiano. Seja para escrever ou para ler.
Quando se lê ou se escreve, imagina-se tudo se passando em lugares próximos. Lugares que se conhece, que se frequenta.
Dá-se um toque de pessoalidade neste ponto, neste momento dá para se sentir bem mais próximo.
Isto faz se sentir completamente ligado!

Observar

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Eu sou uma pessoa muito quieta. "Bem na minha!"
Porém, eu não me isolo. Eu tenho olhos de águia e observo tudo a minha volta.
Ao observar dessa maneira, eu percebo e penso muitas coisas. E absorvo mais umas outras tantas.
Tudo o que se passa a minha volta junto a meu silêncio acaba se fundindo aos pensamentos. Refletindo-se no que sai de minha cabeça para o papel, na maioria das vezes.
Pois é, bom também é poder guardar só para você. Bom poder ter uns pensamentos obscuros.
Ser observador é assim, seus olhos sempre a espreita, sempre prontos a ver e aprender alguma coisa. 
No que sua boca se cala, os olhos se aguçam e rastreiam.
Também faz com que você tenha um pensamento melhor, consiga pensar melhor quando isso for necessário.
O caos e a correria da vida (e até dos pensamentos) podem te tirar esse atributo.
Mas, sabe quando você coloca aquela música no ouvido (ou só cantarola) e fica olhando para o nada?
É uma ótima hora para começar a observar!

Minha letra

segunda-feira, 19 de novembro de 2012
É até um pouco contraditório: Eu escrevo bem, mas não tenho uma letra bonita.
Eu já tentei fazer caligrafia e as suas letras caprichadas, tento fazer desde sempre. Não adianta!
Eu sou uma pessoa muita agitada enquanto escrevo, não tenho tempo (e nem paciência) para ficar fazendo todos os desenhos, de todas as letras.
Não gosto de coisas bonitas por fora, mas sim bonitas por dentro.
Pode ser a letra mais horrorosa do mundo dizendo algo de bom. Como pode ser a letra mais perfeita de todas, porém vazia.
Essa situação se encaixa em muitas coisas da nossa vida.
Pessoas lindas, bem feitas fisicamente, mas vazias como uma bolha por dentro. Monstros, criaturas, que nos ensinam as lições mais impressionantes.
Um livro pode ter uma bela capa, mas só falar besteiras. Uma capa mais modesta te trazer uma ótima leitura.
Não julgue nada por sua aparência, pelo seu "fora".
Conheça o dentro, as entre-linhas, o conteúdo. 
Você pode se surpreender!

Minori Chihara

sábado, 17 de novembro de 2012

Lembro do dia em que comecei a assitir Suzumiya Haruhi no Yuutsu e conheci aquela personagem que era uma alienígena disfarçada de colegial e com uma voz, que voz!
Era a voz da Minori Chihara!
Fui me apaixonando pelo anime: por seus personagens e sua história.
Busquei as músicas do anime e comecei a gostar das músicas tanto do anime como dela mesma.
Lembro quando ouvi Paradise Lost pela 1º vez! E aquele clipe? Não tem nada demais, mas a música contribui bastante.
Desde a Nagato Yuki que ela entrou em minha vida e em meu repertório (e nos meus shows também). A cada nova música, sempre gostando de tudo.
Não consigo dizer qual é a minha música favorita da Minorin! É impossível!
Além de ser uma cantora maravilhosa, tem uma voz e uma beleza. Uma pessoa cativante.
E que me inspira muito. Tanto, que tenho um tumblr com a url Keyfordefection.
Hoje é seu aniversário! Seu 32º aniversário!
Aniversário da irmã do meio da família, a seiyuu!
Omedetou gozaimasu, Minorin!

Primeiras vezes

quarta-feira, 7 de novembro de 2012


Como não lembrar das primeiras vezes?
As primeiras vezes equivalem aos nossos primeiros passos em busca de algo novo, uma mudança. Leva-nos a experimentar coisas novas, sejam elas boas ou ruins.
Quando falamos pela primeira vez, quando alguém nos visita pela primeira vez, quando vamos à escola pela primeira.
Sempre aumentando os horizontes e crescendo e aprendendo.
Primeira paixão, primeiro beijo, primeiro namorado. E até a famosa 1º vez, se é que me entendem.
Essas coisas são feitas da iniciativa, de primeiro passo, de primeira tentativa.
Mesmo que seja desajeitado e não seja uma coisa tão legal assim.
Mas, nem tudo nós acertamos de primeira.
Ás vezes é só um estopim para o início da aprendizagem.
Por isso, não tenha medo de arriscar. Pode não ser tão ruim assim.
Sentir frio na barriga é até bom, mas não deixe que isso te prive das boas coisas que podem te acontecer.

Livro da vida

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Nossa vida é como um livro. Composto por páginas, capítulo e partes.
Antes de nascermos temos o prólogo, que introduz tudo, no caso, seria uma definição da nossa personalidade.
Nos primeiros capítulos são coisas alegres, felizes e está tudo bem.
Conforme os anos, e os capítulos passam, os problemas aparecem e as coisas se complicando.
Passando por altos e baixos, enfrentamos vilões e até nós mesmos. Porém, sempre passamos de cabeça erguida.
Vamos preenchendo as páginas com nossos pensamentos, visões e acontecimentos.
Só que se pode apenas escrever uma vez, o livro da vida não tem como ser reescrito. Você não pode voltar e reescrever e mudar o acontecido.
O que vem pela frente, as próximas páginas, podem ser feitas e moldadas do jeito que quiser.
As páginas escritas ficam apenas guardadas. São lembranças! Pode lê-las novamente.
E assim, chegamos ao clímax, a parte mais emocionante e importante. No caso da vida é o momento da morte.
E nos despedimos no epilogo, que é o que acontece depois. Mas o que acontece aqui depende do que cada um acredita.
Acaba tudo mesmo? Ou esse livro é apenas mais um de uma série?

Blogar

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Falaremos de um assunto que é praticamente o que acontece aqui.
Afinal, como é blogar?
Para mim, equivale a escrever, só que em um blog na internet. 
Pode-se fazer como eu faço aqui, falar o que der na telha. Ou contar alguma coisa interessante de sua vida pessoal.
É bom poder se abrir, colocar suas ideias e pensamentos para fora. É bom ter alguém ou alguma coisa que equivale a um diário, onde você pode colocar tudo o que quiser e ninguém vai te julgar. Vão "escutar", entender e te dar uns conselhos.
Pois, tem horas, que só um conselho de uma voz de fora consegue te guiar.
Os blogueiros são pessoas maravilhosas, sempre amigáveis, sempre gentis e de ouvidos a postos.
É muito bom poder ter um blog, independente de para quê você o fez.
Mas, o que vale é que goste dele e tenha prazer para postar nele e não que ele acabe virando uma obrigação e você comece a levá-lo empurrando com a barriga.
Blogar é isso, deixar o que se passa em sua cabeça ir parar na internet e você se sentir mais leve.

Polissíndeto

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Nossa vida é como um polissíndeto, cheio de adições, cheio de remendos.
Muitos "e" e muitos "nem". Só conseguimos adicionar ou trocar. A correria não permite a pausa que a vírgula dá. 
Eu e você e minha família, nem por todas as melhores coisas trocaria. Nem dinheiro, nem fama.
Correndo e adicionando e remendando os "es" e os "nens".
Conforme passa a correria, vai diminuindo e diminuindo... 
Finalmente temos como respirar, a vírgula volta, e, nos faz voltar a encher o pulmão direito.
Inspira, expira, inspira, expira.
Então, com esse ritmo mais lento, nossa vida passa a ser um assíndeto.
Cheio de vírgulas, de pausas, tempo, de ar, respiração e calma.

Momentos de inspiração

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Sabe aquele momento? Aquele em que sua cabeça está cheia de ideias? As ideias vem e vão.
Você pega um papel e uma caneta ou abre uma página em banco.
As palavras passam de sua mente para a folha muito depressa. Tão depressa que dá até para se perder. Perdendo-se comendo letras, palavras. E frases inteiras?
Quando a inspiração vem, a fome de palavras vem junto.
Você as quer o mais rápido possível, fluindo em paralelo com seu pensamento.
Quem dera escrevêssemos com a velocidade que pensamos. Seria tão fácil!
Inspiração é rápida e queima como fogo. Consome a folha, a tinta, as teclas. 
E se esvai, na mesma velocidade que veio.
Mas, o que ela deixa, não são cinzas e nem brasa. Ela nos deixa um belo texto. Seja lá sobre o que ele for. Com certeza, ele veio de um lugar bom!

Professores

segunda-feira, 15 de outubro de 2012


Hoje é um dia especial!
É o dia daqueles com quem convivemos muito tempo no início da nossa vida: Os professores.
Eles estudaram e aprenderam a ensinar e repassar os conhecimentos, ajudar na construção da inteligência das pessoas.
Mesmo reclamando muito de como são exigentes, de como passam trabalho, de como pedem silêncio e atenção na aula. É, professores são egoístas.
Eles também reclamam de nós. Ou seja, o amor é recíproco.
Todas as profissões dependem dele, pois sem boa formação quem chegar a ser alguma coisa, não e verdade?
Não menospreze o professor, ele tem ensina, te sente e até aprende com você.
Como seus pais, ele só quer o melhor. O melhor para você e para o seu futuro!

Yaoi

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

O que falar disso?! Deixe-me ver... Que é MUITO PERFEITO!
Mas calma que eu vou explicar o significado do termo yaoi. Basicamente, é homem com homem.
E nem venha com essa de que é putaria não.
Eles são do mesmo sexo sim, mas são pessoas como nós e eles também amam. Amam alguém semelhante a eles.
As histórias de yaoi são tão envolventes quanto a de um shoujo. O amor que eles sentem é tão forte e tão bonito que você acaba não conseguindo evitar o fangirl atack.
Admito que também tem a parte da pegação, o que não deixa de ser romântico. Afinal, tem amor ali.
E quando tem pegação, chamamos de lemon. (Com altos gemidos! haha)
Só assistindo para ver o quanto é bom!
E ter preconceito com yaoi é ter preconceito com os homossexuais. E toda coisa desse tipo é besteira!
Existem garotos também adoram ver mulheres se pegando. Por que a gente não pode querer ver a mesma coisa com homens?

Cosplay

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Quem nunca sonhou em ser aquele seu personagem favorito. Mesmo que fosse por um dia ou algumas horas? E de mentirinha?
Essa é a ideia básica do cosplay!
Você se veste como o personagem e age como o personagem. Diga-me que isso não é legal?
Ter aquele gostinho de fazer parte de tudo por um tempo, só para relaxar e se divertir.
E isso não acontece só com personagens de livros, animes ou games.
Também tem os "personagens comuns".
Vai me dizer que você se faz de santinha quando está vestida de diabinha?
É basicamente a mesma.
Qualquer fantasia é um cosplay, nem que seja de você mesmo.

Ayumi Hamasaki

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Aproveitando que hoje, no Japão, é aniversário. Falarei sobre ela! Bem, pelo menos quando a conheci e comecei a escutar a sua música. (Afinal, se quiserem saber dela vão ao google né?)
Farei de maneira como se estivesse falando com ela. Então...

Lembro-me do dia em que soube que haveria um filme do Dragon Ball: Dragon Ball Evolution. E acabei me interessando pela música-tema do filme: Rule.
Rule foi o meu primeiro contato com sua voz, sua música e seu trabalho. Em total estilo rock, que me cativou e me fez apaixonar.
Acabei demorando muito tempo para ver o filme, que é muito ruim, mas passei a acompanhar seu trabalho e com um tempo me tornei fã. Cada vez mais fã!
E é assim até hoje. Gosto de ligar meu player para poder ouvir um pouco de Ayu.
Assim como cantora, te admiro muito como pessoa. Uma pessoa divertida e muito sincera. Teve muitos problemas durante sua vida, ainda os tem, porém, sempre dá a volta por cima e supera tudo.
Tudo começou em 2009, em uma época diferente de ambas as nossas vidas, ainda assim, o sentimento é o mesmo.
Feliz aniversário, Ayu-chan!
Desejo-te tudo de ótimo. E que venham os 15 anos de carreira!

Lições dos animes

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Além de inspirar nossas vidas, os animes também nos ensinam muita coisa.
Os animes mostram a amizade, o amor, a família, a força, entre outras coisas.
Como esse tipo de coisa é importante em nossa vida.
O quanto uma amizade pode ser forte e durar, não importa o que aconteça.
As barreiras que o amor ter que enfrentar para o casal possa ficar junto.
Sem a família, sendo biológica ou de coração, não temos suporte e não somos nada.
A força está e vem de nós, só depende de nós mesmos para sermos fortes.
Mas não é só isso!
Eles mostram que a vida nem sempre é tudo as mil maravilhas, nós vamos ter momentos ruins e difíceis. Temos que encarar o inimigo que vier e derrubá-lo.
E no fim de tudo, a sensação de que fez o que era certo e deu o melhor de si para aquilo.
Isso que os animes ensinam, mesmo em japonês e tendo olhos grandes, o coração é o que traduz essas lições. E as faz se tornarem reais e realizadas na vida real!

Timidez

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Quem não é tímido e meio reprimido quando está em um ambiente de interação novo?
Timidez é normal em um primeiro momento, depois a pessoa se solta e se sente mais à vontade. (E aí que fode a porra toda! haha)
Tudo bem, estou generalizando demais. Tem gente que é cara de pau mesmo. Digamos, a maioria é tímida.
Eu sou bem assim por sinal, sou bem quietinha na minha. Eu não gosto de incomodar e até sinto um frio na barriga e um nervosismo quando vou apresentar algum trabalho. Ou até com alguma coisa nova.
Essa minha timidez e "ficar na minha" que me fazem esquecer do mundo e ser quem eu sou, ser desse jeito.
Mas ainda sou uma pessoa legal. Quando pego intimidade é que as pessoas descobrem a pessoa terrível (no bom sentido) que eu sou.
Sou assim também quando recebo um elogio. Fico vermelha, coloco as mãos no rosto. Só falta me esconder!

Janna

sábado, 15 de setembro de 2012

Vamos falar um pouco de games hoje. Mesmo eu não sendo uma jogadora tão boa assim.
Bem, eu jogo League of Legends. Não sou boa em bater nos outros, mas acho que muito boa em ajudar meus aliados a fazer isso. Lê-se: Jogo bem de suporte.
O personagem que eu jogo melhor e eu jogo com um amor é Janna.
Digamos que ela é uma maga de ar e tem um total feelings do Seiyus para mim. 
É o poder do Seiyus! (risos)
Eu não tenho muita coisa a dizer sobre ela, mas eu adoro ficar jogando os outros para o alto com os furações. E como é bom poder salvar os seus aliados.
Eu gosto de ter "o poder do vento sobre meu comando".
Me identifico com a Janna na personalidade, afinal suas emoções mudam assim como o vento.
A história da Janna (e de maioria dos personagens do jogo) é muito legal. Vejam!
Não tenho mais nada a falar dela. Suki de, Janna!



Personagens escritores

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Do mesmo jeito que sou escritora, me identifico muito com os que se assemelham a mim. 
O que é obviamente natural. A vida em geral é assim!
Mas como também gosto de acompanhar muitas histórias. E como os personagens são imagem e semelhança de seus criadores, lê-se humanos, existem os personagens que se assemelham a você. E por consequência acaba se identificando.
E isso acontece na mesma frequência que com as pessoas de verdade.
Posso ver como os escritores são pessoas tão complexas e difíceis. (E completamente fora do comum.)
Acho que os escritores tem esse ponto em comum, são pessoas sem (ou quase sem) sanidade alguma. 
São pessoas que tem uma percepção diferente do mundo. Eles percebem tanto o mundo que são capazes até de criar outro ou falar sobre o qual eles vivem.
Não importa se é personagem ou um humano mesmo, sendo escritor me identificarei com ele.

Dia do sexo

quinta-feira, 6 de setembro de 2012



Enfim, chegou o dia de eu falar disso aqui! haha Sou muito pervertida!
Está claro que não vou explicar sobre o quê é e nem vou ficar falando sobre a minha vida sexual. (Se é que eu tenho alguma.) O tema é...
Como o assunto sexo é abordado em nossa vida? E visto por nós?
Com muita repulsa e muita vergonha, na maioria das vezes. Considerado como tabu.
Tanto que muitos nem conversam sobre o assunto direito!
Alguns dizem que deve ser só depois do casamento e outros dizem ao contrário.
Há muitas divergências em diversos pontos desse tema.
Mas concordemos(ou pensemos) que entre quatro paredes muita gente muda e bastante. Estou generalizando por não saber o que acontece com cada qual!
Ao meu ver, o sexo não é só o ato físico em si. Tem que ter amor por trás dele.
Senão fica aquela coisa sem sal e completamente carnal, não é legal!
Tem que rolar os carinhos e as brincadeirinhas e a putaria também. (risos)
Quando se anda esse passo, o envolvimento já está bem maior e tudo se torna uma coisa prazerosa.
Não façamos do sexo uma coisa de animais e sim, uma coisa de humanos!

Menina isso, menino aquilo


Passou isto pela minha cabeça agora!
Desde criança, eu tentava entender o motivo de sacanearem o meu irmão por ele brincar de boneca. Eu não via nada demais na situação. 
Eu literalmente tomava as dores e falava:
-E quem disse que menina tem brincar de boneca e menino de carrinho?
Até hoje, essa mesma fala se repete em minha mente. 
Não há em nenhum lugar escrito que tem que ser assim e pronto. As pessoas convencionaram isso.
Mas sinceramente, é ridículo! É preconceituoso!
Não significa que você ao brincar com um brinquedo ou até usar uma cor duvidosa e contrária a seu sexo que você seja homossexual.
"Menina tem usar rosa e menino azul". 
"Menino brinca de carrinho e menina de boneca".  E mais outros exemplos.
Essas coisas tocam a minha alma e me irritam. Detesto essa coisa mesquinha de pessoas mesquinhas. Todos tem o direito de usar a cor, fazer o que quiser.
Agora vão me dizer que só mulher que tem cuidar da casa e dos filhos? O homem tem que trabalhar e trazer dinheiro para a casa?
"Mas isso não tem nada a ver". Mentira! A ideia é basicamente a mesma!
Isso é tão século XX. (Tudo bem que eu nasci no Séc. XX) Tão ultrapassado!
Por favor, esqueçam isso! 
Os sexos muito divididos e determinados é coisa do passado. 

Casais melosos

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Casais nós encontramos a balde por aí!
Mas tem um tipo que se manifesta de uma maneira forte, irritante e frequentemente nas redes: os casais melosos.
Sabe aquele casal que fica falando o tempo todo que se ama e nem tem tempo de namoro para isso. Quando não ficam trocando mensagem de amor e falando para TODA (para não dizer "Deus e o mundo)" a rede social que eles se amam e estão muito felizes junto e como se completam e se entendem. Como eles não vivem um sem o outro e como ficam com saudade.
Na boa, é melação demais para mim!
E infelizmente (ou felizmente?) esses não duram praticamente nada. É tão meloso que se torna artificial. 
É como eu digo: Onde tem demais uma coisa, pode apostar: Falsidade.
Se tratam de pessoas infantis, sem maturidade e fazendo fachada.
Se eu quiser namorar só para dizer que eu tenho e não estou encalhada. Sinceramente, é ridículo!
Eu namoro há mais de três e nunca fui assim com o meu namorado, nem na internet e nem no "cara a cara". A gente troca nossos beijos, nossos "Eu te amo". Temos nossas saudades um do outro, conversamos e até temos uns momentos mais amizade que namoro.  Porém, acho que faz parte!
Tem que escolher alguém que te completa e que você pode agarrar e também conversar.
Pelo menos ao me ver!
E não namorar uma paixonite para ficar de melosidade, mostrando para todos que você está apaixonada. E alguém que você nem conhece direito.
ASSIM É FODA E ME ESTRESSA!

Pseudo-escritores do Tumblr


Mais uma com o assunto escrever, que eu adoro, como já devem ter percebido. Mas tem uma temática diferente dessa vez, vamos falar de Tumblr, uma coisa que também adoro!
Com a popularização do Tumblr, muita gente começou a criar tumblr de textos. São onde as pessoas escrevem alguns trechinhos ou poeminhas de própria autoria.
Mas com pouco tempo criando esses testículos, alguns ou a maioria já se acham os melhores escritores do mundo. Consequência também do número de followers e elogios que ganham!
E geralmente escrever sobre os sentimentos bem clichê, ou seja, tudo aquilo que o povo do Tumblr quer ler. E escrevem exclusivamente para pôr no Tumblr.
Então passei a chamá-los de Pseudo-escritores do Tumblr!
Não tirando o direito de que todos tem de poder escrever e se tornarem escritores, porém antes começar a escrever para você. Porque te faz bem, porque você gosta, gosta de colocar as palavras e sentimentos para fora.
Admito, tem muita gente que escreve bem no tumblr e só por hobby.
Além de tratar de temas mais que ultrapassados, pelo menos ao meu ver. Ainda comentem os erros mais bobos possíveis, para quem tem hábito de escrever isto não deveria acontecer.
Enfim, essas pessoas devem saber o lugar delas e primeiramente pegar um dicionário ou uma gramática e ir estudar a língua portuguesa antes de sair poetizando por aí.
Para mim, quem escreve bem tem alguma noção da língua e das palavras que manipula e usa.
Com o tempo, quem sabe a gente não conversa?

Vermelho

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Vermelho: minha cor favorita!
Desde que me fizeram a pergunta "Qual é sua cor preferida?" pela primeira vez, eu respondia "Vrumelho".
Para mim, essa cor representa vida por ser uma cor forte e viva também.
Muitos associam essa cor ao lado ruim das coisas. Como o azul é o bem, vermelho é o mal.
Detesto esse tipo de analogia besta!
A mesma coisa que dizer que meninos devem usar azul e meninas usar rosa.
O vermelho pode ser ligada a tantas coisas melhores e mais reais, por exemplo: nosso sangue, a paixão.
Vermelho é uma cor para coisas fortes, por isso que combina comigo!

Sentir-se como um personagem

domingo, 19 de agosto de 2012


Sabe quando você fica de um jeito, mas um jeito, que você se sente como um personagem.
Mas, como assim um personagem?
Eu digo isso por ter alguma emoção ou até mesmo característica exagerada que te encaixa no contexto de personagem tal.
Tudo bem que podemos ser considerados personagens escrevendo um livro em 1º pessoa, cujo título é o nosso nome.
E não precisar ser necessariamente de livros, mas de filmes, séries e até animes.
Tão bom poder ser alguém ao extremo, exagerado, intenso. Cada um da sua maneira!
E fazer parte de uma história, a nossa própria. Onde somos protagonistas, antagonistas e heróis ao mesmo tempo.
Ás vezes fazendo um monólogo e ás vezes contando com a ajuda do elenco a sua volta!
Independente de ser ficção ou real, é tão bom viver nossa própria aventura!

Cantar

sábado, 11 de agosto de 2012


Dizem: Quem canta seus males espanta! Acredito que realmente seja verdade!
Quem mesmo sendo o mais desafinado possível, não aguenta quando está ouvindo aquela música. E ela está em uma língua diferente da materna da pessoa. Seja em Japonês, Inglês ou Coreano.
Não vai querer cantar?!
Pode ser baixinho ou gritando, CANTE! 
Deixe falar que você canta mal ou tem um péssimo gosto musical. (Geralmente comigo é por causa das duas coisas.)
Afinal, pode ser que a pessoa seja um péssimo cantor que nem você ou tenha também um gosto musical "estranho". 
E retruque com um "Eu sou o primeiro a ouvir essa desgraça!".
E se for um profissional da área de música?  Corre para as colinas! (Brincadeira!)
Independente de ser um profissional, ser afinado, entre outras coisas. Basta e deixei apenas a voz soltar e seja feliz!
Aproveita e pega o microfone. Monte um palco improvisado e faça um show de uma vez!

Números do azar

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Tem gente que é muito supersticiosa, é verdade!
Acham que muitas coisas que passam por elas ou acontecem dão uns anos de azar. Exemplo: gato preto, quebrar espelho, passar embaixo da escada.
Mas os números também fazem parte das superstições.
Nós acreditamos que o 13 seja o número do azar. Ainda mais quando ele vem acompanhado de um sexta-feira.
Não sei bem por que motivo é esse número, mas é verdade é que 3 mais 1 são 4.
Agora entra uma coincidência muita engraçada...
No Japão eles acreditam que o número 4 seja um número de azar, porque a palavra Shi também significa morte.
E eles levam isso tão a sério que em prédios pulam do 3º para o 5º andar. Não tem a 4º vaga no estacionamento. Entre outras coisas!
Tudo isso de número do azar nos dois lugares leva a um comum, é o mesmo número. Só que eles são mostrados de formas diferentes.
Mas que acho que azar não existe, pelo menos não em relação aos números. É só para ficar inventando história e causando polêmica. 
Deixem o 4 e o 13 em paz, eles são dois números como todos os seus infinitos semelhantes!

De volta à Lagoa Azul

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Eu sei que muitos vão me bater aqui, mas eu gosto desse filme. Sério!
Ele é do ano de 1991 e eu nasci em 1992. Então ele praticamente faz parte da minha vida. 
Já o vi umas 500 vezes, com a sessão da tarde colaborando com 90% delas.
Não vou falar sobre a história, afinal ela já é batida. Ela começa exatamente onde acaba "A lagoa azul". 
Com os pais de Richard e o próprio Richard sendo encontrados no barco. Os pais mortos e Richard vivo.
A mãe de Lili quem começa a cuidar dele. Surge um surto de cólera no navio e mandam os três com um marujo para o alto mar, para evitar que eles adoeçam.
O que o cara é um filho da puta! (Só falando assim.) 
As crianças ficam chorando e mesmo implorando por água, ele não dá! 
Enfim, ele ameaça matar as crianças. A mãe de Lili (esqueci o nome dela), mulher valente, mete o ferro no pescoço e mata o cara.
Sozinhos, eles chegam na ilha deserta. E passam a viver lá. (Já contei muito!)
Quando a gente é criança, não prestamos muita atenção nas coisas ou não percebemos alguns detalhes. 
Admito, muitas das piadas no filme só fui entender das últimas vezes que vi o filme. Isso é por conta da mente poluída! (Ou será que não?)
Também vem aquela sensação de nostalgia que me faz rir por metade do filme, sei lá por que.
Principalmente na parte do "O dono do coral". Aquilo é muito engraçado! 
E também mostra que homens são uns seres muito bobos. (risos)
É um filme bem parado. Mas acho que ele tem um boa história.
A trama dele entra em clímax depois que eles casam e aparece alguém que possa levá-los de volta a civilização.
Mas o clímax mesmo é quando o Richard salva a Lili do marujo estuprador. haha
É muito bonitinho ver o amor deles. Eles são uma graça!
E graças a esse filme que conhecemos a Milla Jovovich hoje. Só ator do Richard que eu nunca mais vi, mas ele é lindo, convenhamos. (Tarada MODE ON)
Eu sinto inveja da Lili, na boa...
Quem não gostaria de ter um Richard só para você? (gargalhadas)

Mente Vazia

terça-feira, 31 de julho de 2012



Não se trata de alguém especial, toda a família é importante, isso é verdade, é de mim mesma.

Sempre tive uma imaginação muito fértil e muitas vezes inventei estórias para brincar ou brincava de alguma da disney: Pocahontas, por exemplo.

Eu pegava as roupas da minha mãe e os sapatos dela e todo dia, quando chegava a casa, brigava comigo dizendo que estragara os sapatos dela.

Além de brincar bastante, eu assistia(e ainda assisto)muitos desenhos.

Na escola, quando a professora dava uma boneca para pintar, sempre a fazia morena. Uma alusão a mim? Na verdade, acho que sim.

Minha imaginação fértil também tem culpa por meu tédio. Culpa de não gostar de sentar para estudar.

Com 11 anos, eu peguei um caderno e comecei a escrever: As Super Agentes. Que é uma dessas minhas brincadeiras de infância.

Fiquei alguns anos na compainha delas apenas. Mas quando tinha 15 anos(e fui de uma das Super Agentes, nos meus 15 anos, e a que tem meu nome), tornei outra brincadeira um livro: Mago Belo.

De lá para cá, foi só aumentando e já tem sete no total. E todas são frutos “do meu tédio”.

Eu observo muito as coisas e as pessoas, e as uso para criar outras pessoas e lugares na minha cabeça e se deixar, essas coisas caem nas minhas mãos.

Acho lindo entreter as pessoas com as palavras e deixá-las com interesse e   fazê-las ler.

É muito bom ocupar uma mente vazia com um belo romance, que aguça a imaginação.

E pelas palavras que escrevo e dou vida, que faço o que estou fazendo agora.

E quero ser lembrada no futuro por ter feito as pessoas sentirem.

Recordações



A recordação pode ser uma coisa ruim ou boa, mas independente disso, é algo que nos marca de alguma maneira. Sejam coisas que faziamos ou um dia especial ou um dia terrível.

Pode ser aquela sua brincadeira de infância, algo que fazia nela. O seu melhor aniversário, o natal, o ano novo. Ou um dia que levou um fora de alguém, ocorreu alguma violência com você, o filme de terror que te deixou apavorado ou aquilo que falaram da sua pessoa, que não gostou. Até aquele amor perdido ou não correspondido.

As lembranças nos fazem ser quem somos e lembrar do que já fomos no passado. E o que nos aconteceu nele.

Impossível, durante seu dia, não ter alguma recordação, nem que seja de ontem. Do que conversou, viu ou comeu.

Quem vive sem recordações, vive uma vida vazia.

Pois, o hoje será o passado de amanhã.

Feminista eu?

segunda-feira, 30 de julho de 2012
Quem percebeu esse detalhe nas minhas histórias foi meu namorado!
Eu tenho personagens dos dois sexos. (E existe um 3º sexo, Anelise? Gênia!) Tanto como protagonistas ou secundários.
O detalhe é que minhas personagens femininas sempre tem algo a mais do que os masculinos. São mais inteligentes, mais fortes, são "os príncipes" da histórias em alguns casos.
Uma coisa é verdade: as minhas mulheres lutam na mesma frequência que os homens. Elas vão para a porrada mesmo!
Não sou muito adepta da ideia de que mulher é sexo frágil e só fica assistindo o cavaleiro lutar por ela ou fica gritando por socorro.
É como a frase que postei no Tumblr: Princesa de verdade não é aquela que espera o príncipe salvá-la. É aquela que luta ao lado dele!
Minhas personagens são exatamente assim. Nenhuma delas é fraquinha e fica de frescura. Elas vão por amor, dor e por missão. E batem com força! (Onomatopeias de socos.)
Isso não menospreza os meninos, eles também tem seus fortes. Eles lutam muito bem também!
Mas convenhamos, não é otimo poder contar com mais um? Mesmo que seja mulher e "fraca".
O problema é que geralmente as meninas tem mais experiências de vida.
As Super Agentes treinaram desde a infância.
A Sabrí, nasceu no mundo mágico e pratica desde que nasceu, diferente de Dimitri. Ele mal descobriu seus poderes, mas ele domina um elemento a mais que Sabrí.
Caterine perdeu a família toda praticamente bebê e foi criada por homens em maioria.
Isto são apenas alguns exemplos.
Claro que existem as exceções, as que são mais ou menos fortes. Samira, de Jimmy Wayn, por exemplo. Ela mal defende direito, quem briga por ela é o Jimmy.
E eu nem toquei no assunto do título...
Não que seja feminista. Se eu fosse mesmo, não terei protagonista homens, porém eu tenho.
Eu só não gosto dessa imagem de mulher dependente de homem. Acho que ela tem que estar ao lado dele, brigando junto dele.
E de igual para igual! Como os direitos iguais que falam por aí!


Mutsu Ike: a prova do que um sonho estranho te leva a fazer

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Vamos falar sobre a minha sexta história: Mutsu Ike.
Eu gosto muito da história do Ike, assim como todas as outras.  Mas o jeito como ela surgiu é um tanto engraçado!
Um belo dia, eu fui dormir como sempre. Eu já sou uma pessoa que tem tendência a ter sonhos estranhos e neste não foi diferente. Por um outro lado, além da escala do estranho.
Foi exatamente assim: Um robô grávida e assim que o filho dela nascesse, ela morreria. E foi isso que aconteceu no final: Ela morreu!
E sim, a minha mente é um lugar muito maluco. É difícil lidar com ela!
Esse foi só o estopim para eu criar a história.
A base mesmo foi a coisa de: as mulheres tem filhos e morrem.
Mas a causa da morte delas é uma doença. As mulheres acabam morrendo porque uma coisa no sangue dos filho faz isso. Esse mundo procura uma cura, mas em vão.
Existe um casal que faz pesquisas para tentar encontrar essa cura, mas nunca conseguiram cobaia alguma para testar as teorias. 
Então aparece uma jovem que quer ajudá-los, porém sua história até chegar é longa.
Ele faz um tratamento, baseado em uma das teorias do casa, seu filho Mutsu Ike nasce e ela morre um mês depois. O récem-orfão fica aos cuidados do casal e acaba por viver na ideia da cura.
Sua mãe lhe deu a missão de encontrar a cura, que está em uma garota humana. Ela vê o futuro!
E daí se desenrola.
Acreditar que foi um sonho que me fez criar esse mundo todo.
Isso é ser muito Anelise, sinceramente. Sem contar o meu histórico de cinco histórias antes desta.
Eu espero que Ike consiga encontrar a cura e salvar todas as mulheres de seu mundo.

Escassez no mundo blogueiro

domingo, 8 de julho de 2012

Vamos falar sobre o mundo blogueiro hoje.
Na época em que eu comecei a usar blogs, muitos deles eram pessoais, com as pessoas contando sua vida. Utilizando seu blog como um diário.
Mas esse tipo de blog hoje em dia nem existe mais, pelo menos não aos montes como antes.
O Garota Zodíaco, meu blog, é um exemplo.
Agora tem muitos blogs de humor, maquiagem e dicas, entre outros.
São gente querendo trazer algo interessante e não contando algo interessante.
Eu acho que era mais divertido saber da vida das pessoas e poder conversar com elas sobre a vida delas.
Tudo bem que, eram outros tempos, mas era uma coisa legal.
É realmente uma pena que agora seja assim.
Não é mais tão "badalado" quanto antes.
Tudo bem que meus blogs sempre foram bem apagados e sem popularidade alguma. Imagine agora!
Porém, eu penso pelo lado bom: Ainda tenho meu blog e gosto muito dele!

Dublagem!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Hoje é dia do dublador!
Eu sou apaixonada por dublagem e acho que é um trabalho maravilhoso. Mesmo ele não sendo muito reconhecido.
São graças aos dubladores (ou seiyuus, em japonês) que os personagens ganham vida ou não precisamos ver um filme legendado.
Adoro conhecer quem são as pessoas por trás daquele voz.
E como os dubladores são versáteis, eles podem fazer vários tipos de vozes. 
E os nojentos conseguem nos enganar! haha
Só quero desejar parabéns para todos dubladores do mundo por este dia!
E que continuem com esse trabalho maravilhoso que é a dublagem!


Relacionar tudo com anime.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Mais um post para as minhas coisas de Otome!
Como toda pessoa comum, gostamos de falar sobre as coisas que gostamos. 
E relacionamos tudo ou quase tudo na nossa vida com aquilo.
No meu caso, "a coisa" são os animes e mangás.
Sempre tem algum detalhe que me faz lembrar algum anime, mesmo que o conheça só de nome.
E também não perco a oportunidade de fazer referência e nem piadinha. 
Principalmente com o "mais de 8000".
Como eu digo: O bom otaku NUNCA deixa a piada passar!
Pode ter certeza que uma simples parada cardíaca não é tão simples assim. É tudo por causa do Death Note.
Além de vez em quando eu ser rendida a fazer referência as minhas próprias histórias e personagens.
Sempre quando está ventando, eu falo: É o Seiyus treinando o Dimitri.
Acontecimentos por culpa de eu ser Otome, mas não me arrependo. 
É muito divertido!

Falar sozinha

terça-feira, 19 de junho de 2012
É uma mania minha! E daquelas manias fortes.
Não diria mania e sim hábito. Hábito porque já é tão natural e eu até gosto.
É bom poder falar consigo mesmo, evita forever alonismo (ou agrava?), bom para desabafar, colocar os pensamentos em ordem e até raciocinar melhor.
O único problema disso é que as pessoas te olham torto, acham que você é maluca ou você vê alguma coisa.
Digamos que eu converso com alguém sim, levando em conta a temática do Blog do Kyon. (risos)
As pessoas ficam te encarando ou te olhando. Eu nem preciso ficar falando para me olharem na rua, imagine comigo falando.
Eu já fui vítima de bullying por causa disso, umas meninas idiotas, sinceramente.
Eu faço muito isso quando estou fazendo prova ou até escrevendo meus livros, é bom para poder saber em que ponto estou, o que eu sei e o que eu posso colocar.
Nem ligo para o que acham ou deixam de achar sobre esse meu hábito. Eu sou assim! O problema é completamente MEU! Não estou falando com elas mesmo. (risos)
E já foi comprovado que as pessoas que falam sozinhas são mais inteligentes.
CHUPA ESSA SOCIEDADE! 
BITCH PLEASE, I'M FABULOUS!

Para o Amado!

domingo, 17 de junho de 2012

Hoje faz exatos 3 anos que começamos a namorar! 
Tudo bem que nos conhecemos a mais tempo, pode colocar mais uns 3 anos nessa conta.
E passamos por tanta coisa juntos, mesmo como amigos ainda. As brigas são o melhor exemplo disso. Eram coisas bem infantis, mas ainda assim eram brigas.
Passei muito tempo te "enrolando", que na verdade era que eu não percebia meus sentimentos.
Ainda precisamos de um empurrãozinho de um amigo seu para o nossa primeiro beijo. E duas semanas depois me pediu em namoro.
Temos tantas coisas em comum e eu não reclamo das coisas que você faz. Sou ciumenta e não egoísta. Deixo você ver seus animes, sair com seus amigos e até jogar no meu computador.
Como eu sou boazinha. (risos)
Mesmo você me perturbando, me mordendo, me zoando... Eu te amo! 
Isso é para você e pelo nosso dia, Amado!

Complexo de: Não ficou bom!

sábado, 16 de junho de 2012

Este é um dos complexos que eu tenho: Achar que não ficou bom!
Sabe quando você faz uma coisa e dá o seu melhor, mas mesmo assim percebe que não foi suficiente? Comigo é assim!
Quando eu vou escrever (uma dissertação, por exemplo) ou até apresentar um trabalho, o nervosismo me faz acreditar que não ficou bom.
Mas o que é mais engraçado é que os outros gostam e eu fico tentando entender o que eles viram de bom ou legal. (Como é difícil ser eu!)
Lembro de uma situação ano passado. Fui fazer uma dissertação sobre Bullying e fiz ela bem superficial. Achei que ficou uma porcaria, mas o professor gostou. Vai entender!
E mais engraçado ainda que acontece ao contrário: Acho que ficou bom e dizem que ficou ruim.
Eu nem sei como vou me livrar dessa mania, ou complexo, sei lá.
Porém, acho que é uma coisa boa. Faz com que eu tente melhorar o que eu faço. (E esperar que os outros achem uma merda.)
O que eu não posso fazer é parar de fazer o que eu gosto tanto por um motivo tão bobo e um complexo desses.

Inspirações de escritora

domingo, 10 de junho de 2012

Mais uma das minhas coisas de escritora! E olhem, elas não são poucas não.
Para poder escrever alguma coisa, é preciso ter uma inspiração que te leve a ter um boa ideia e começar a escrever.
Pode ser uma música, uma coisa da sua vida, alguém, entre outras coisas.
Como sabem, para cada uma das minhas histórias tive inspirações completamente diferentes.
Elas só tem dois pontos em comum:
1º-> São minhas!
2º-> São as mais malucas possíveis.
Convenhamos que eu também já não sou tão normal assim. Isso colabora!
Essas inspirações vão desde brincadeiras de crianças, passam por simples palavras e chegam aos sonhos.
Mas, não é só das histórias que é feita essa situação.
Também aparecem quando vou escrever testículos (sem pensamentos pervertidos), frases ou até para cá.
Não simplesmente pego a caneta e deixo rolar, não em um primeiro momento.
Só me dou a ideia inicial, de onde eu parto, aí eu deixo rolar. 
Nem sei como acaba saindo algo legal disso tudo, eu só faço.
Outra coisa que não deixo acontecer é deixar minha mente ociosa de pensamentos, sempre leio ou vejo alguma coisa. Independente de ser anime ou não.
Quem sabe não dê em alguma frase de um personagem no livro?

O tempo é relativo?

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Algumas pessoas dizem que o tempo é relativo. Eu acho que é verdade!
O quê isso significa?
Significa que o tempo passa de maneiras diferentes para cada pessoa e cada situação.
Vou explicar com os "5 minutos". Reflitam.
5 minutinhos a mais na cama? 5 minutos ouvindo música? 5 minutos na internet? 5 minutos com o seu amor? 5 minutos lendo um livro que você gosta ou mangá?
Esses tempos com toda a certeza passam voando e você sequer sente.  Esse tempo passa muito rápido!
5 minutos esperando alguém? 5 minutos forever alone? 5 minutos com dor? 5 minutos na aula ou estudando? 5 minutos ouvindo uma música que você não gosta? 5 minutos conversando com alguém chato?
Esses são completamente opostos aos exemplos anteriores, eles duram uma eternidade.
Digamos que essa é a teoria do tempo relativo: De acordo como você é e a situação na qual está.
Com coisas boas, o tempo voa. Com coisas ruins, o tempo não passa.
Isso ainda comprova outra coisa: Tudo o que é bom, dura pouco. (Ou parece que dura pouco?)
E não fiquem achando que o tempo é mágico(e vidente) e fica de brincadeira com a gente.
Os minutos são sempre os mesmos, têm sempre 60 segundos.
Quem são os mágicos nessa situação somos nós. Fazemos o tempo passar a nosso modo.
Então, só cabe a gente decidir que truque faremos com o tempo.

Afinal, o que é o Blog do Kyon?

quarta-feira, 23 de maio de 2012


Como alguns sabem, eu tenho mais dois blogs que são o Garota Zodíaco (pessoal) e o Blog do Kyon (pessoal também).
Devem estar se perguntando: Dois blogs para a mesma coisa?
Basicamente é a mesma coisa sim, mas os blogs se diferem entre si.
No GZ sou quem está falando e no Kyon quem fala é o Kyon Hiryu.
Kyon Hiryu-sama é um personagem criado por mim e ele é meu anjo da guarda, mentor espiritual, como preferirem.
Ele falo sobre mim e sobre pequenos assuntos da minha vida, só que na visão dele.
Vai me dizer que isso não é legal?
Tudo bem que sou eu quem escreve lá. Mas eu não posso feliz um pouco? (E completamente maluca também?)
É divertido poder falar de você como se fosse outra pessoa. É ótimo referir-se a você na 3º pessoa.
Mas como devem saber, eu literalmente entro no personagem e falo como se fosse ele mesmo.
É um blog divertido e com posts bem pequenos, para quem não gosta de ler.
A única exceção é quando tem entrevista. Kyon diz que eu me empolgo muito nas respostas. haha
O Kyon e eu gostaríamos muito de sua visita lá no Blog do Kyon.

Katanagatari

domingo, 20 de maio de 2012

Uma review de anime hoje! Não direi que é dos desconhecidos, não acho que seja.
Eu tenho recomendado muito esse anime há uns tempos.
Conta a história de Shichika, descendente e um estilo que chamam de "A espada perfeita". Ele e a irmã vivem em uma ilha, exilados, mas quem foi exilado foi o pai deles. Shichika matou seu pai!
Um dia, Togame, que faz parte de alguma coisa do exército, chega na ilha e vai falar com Shichika e a irmã.
E explica que está procurando 12 "espadas" especiais forçadas por um pessoas importante.
Shichika aceita a proposta de Togame e sai com ela em uma jornada em busca das espadas com duas condições: proteger Togame e não quebrar nenhuma espada.
Em cada episódio eles pegam uma espada. Elas sempre estão com alguém muito forte(clichê!).
E não são apenas eles que estão atrás das espadas(clichê!). Os ninjas Maniwa também.
Esse anime tem um diferencial: episódio de 50 minutos. Mas são minutos que valem a pena. A história fica mais desenvolvida e as falas também.
E a sua animação um pouco diferente. De começo, ela é bem estranha, mas até que você acostuma e acha bonito. Não é animação mal feita, sabe!
Assisti esse anime porque meu namorado me passou.
Uma coisa aconteceu que me deixou com muita raiva, mas não vou contar. Senão darei spoiler!
Super recomendo esse anime. E o final é épico! (Deixando na curiosidade.)
E esse anime me ensinou uma palavra ótima que eu uso no Otaku. Culpa total da Togame.
Mas só assista o episódio se tiver um tempão livre. Já sabem por que, né?

Acredito que fazer o que todos fazem é chato!

sábado, 19 de maio de 2012


A frase que está no título é literalmente a frase que me define. (Ou quase isso!)
Agora irei explicar porque.
Essa frase é da música Bouken Desho Desho? da Aya Hirano. Abertura da 1º temporada de Suzumiya Haruhi.
Por que essa frase, Anelise?
A começar pelo fato de que eu não sou normal, sem dúvida alguma.
Eu sou otome, escritora, tenho minhas manias e que são só minhas.
E tem certas coisas que as "pessoas normais" fazem que eu fico só pensando "puta que pariu" para elas. (E o facepalm.)
Exemplo: Dançar em público numa festa.
Antes, até ia numa boa. Mas, não tem mais música para eu dançar.
Meu gosto musical é completamente asiático! É impossível!
E por fazer, não levem a frase em um sentido tão forte como: Respirar!
Uma amiga desmentiu essa frase com esse argumento: Então você odeia respirar!
O sentido não é literal desse jeito. 
Não é uma questão física e sim psicológica, de personalidade, de ser.

Como é terminar um livro?

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Escrever é uma coisa maravilhosa e prazerosa. Também te leva a outro mundo, só que você viaja três vezes mais, apenas pelo simples fato de estar escrevendo e criando.
E quando você vai criando e vendo do que sua cabeça, suas ideias, suas mãos e suas palavras são capazes. Vou se torna o primeiro leitor do livro ao fazer as revisões e fica louco para saber o que vai acontecer (ou não).
As coisas vão acontecendo e tomando forma e seguindo a história, mas uma hora, ela tem que chegar ao fim. É aí que vem outra coisa ótima: Terminar o livro.
Já passei por esse sensação três vezes. É algo como: Um filho que cresceu e saiu de casa, foi seguir sua vida.
Sente uma tristeza e uma alegria ao mesmo tempo. Sensação de dever cumprido.
É como terminar uma etapa! É o fim de uma etapa.
Dá saudade de escrever aquela história e contar a vida daqueles personagens. 
Mas só pegar o caderno e matar a saudade.


O lado Diva!

segunda-feira, 7 de maio de 2012
Toda DIVA que se preze, usa luva numa mão só (na outra, pulseiras) e tem sua fiel escova de microfone.


Sabe quando você fica sozinha em casa? Não tem ninguém pra te perturbar ou pra conversar?
Nessa hora você pega o seu CD (ou liga a caixa de som do computador) coloca no som, desarruma a sala, liga o som no máximo, pega seu pente/escova e começa a fazer um show em casa.
Pode estar sozinha, mas se sente cantando no maior palco do mundo, com a melhor plateia do mundo, que não liga nada pra suas desafinadas ou seus erros na letra ou sua roupa.
É melhor do que a sensação de cantar no chuveiro, ou melhor, bem diferente. Você tem mais espaço, mais som e menos água.
Mas nada que mude a qualidade do show.
E você pula, dança, desfila pela arena e chama o público(que supostamente existe) com você. E sente a maior artista e diva do mundo.
Ser diva é isso! 
Fazer o seu showzinho em casa e agir como se estivesse em um estádio!

White Album

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Mais um da série: Anime desconhecidos.
Pra ser sincera, eu só assisti esse anime(pelo menos a 1º temporada) por causa que duas das minhas seiyuus preferidas estavam juntas: Nana Mizuki e Aya Hirano.
E era a primeira delas trabalhando juntas, depois veio o trabalho do Saint Seiya: The Lost Canvas.
Foi baseado em um game e visual novel, que virou mangá e em seguida anime.
Ele conta mais ou menos como é a vida de um idol. Não sei se vocês sabem, mas idols sofrem, por causa de alguns fãs malucos.
O anime se passa na década de 80, ano 1986.
Um universitário que namora um idol em ascensão e passa por muitos problemas em sua relação por culpa da fama. Ele inclusive trai a namorada! (Spoiler!)
Como ele é um anime que tem mais drama e a história enrolada ou com muitas voltas, ele é meio parado. Parece até drama. Mas quem é menina e gosta de ver um drama e uma história legal, recomendo.
(Eu nem lembro muito desse anime, tem tempo que eu vi.)
Vale a pena também ver o trabalho da Nana e Aya nesse anime.

Dimitri e Sabrí

domingo, 29 de abril de 2012


Esse é o meu casal de Mago Belo. E como manda o meu clichê, primeiro eles são só amigos e depois que surge o amor.
Dia desses, entediada, escrevi um trechinho deles. Só que é bem lá pro futuro, perto do final da história.
Então, não se preocupem com isso ok?


Perto da luta com o rei mágico malvado, Dimitri decidiu finalmente revelar o seu amor por Sabrí.
Eles estavam andando num bosque perto do acampamento. Sabrí quebrou o silêncio:
-Então Dimitri, está preparado para sua luta?
-Claro que sim! Eu treinei pra isso.
-Eu só espero que termine tudo bem.
-O mesmo que eu, Sabrí.
Ficou um breve silêncio e Dimitri prosseguiu:
-Mas, eu não quero pensar nisso por enquanto.
-Não deve fazer isso, mantenha o foco.
-Quero pensar em tudo o que aconteceu desde que cheguei aqui, tudo o que mudou e me levou até este momento.
Dimitri não estava conseguindo falar o que realmente queria. O tempo os surpreendeu com uma chuva.
-Aí, não. Está chovendo! Temos que voltar Dimitri.
-Espera, Sabrí! - disse cobrindo-os com uma barreira de água, aquela que Mark ensinara - Se eu não falar isso, eu não sei se poderei mais.
-O quê, Dimitri?
-Uma coisa que está aqui, em mim. É sobre você, Sabrí.
-O que fiz?
-Você fez tudo! Tudo para me conquistar.
-Dimitri…
-Eu te amo, Sabrí.
Enquanto isso, a chuva apertou. Dimitri continuou:
-Eu não podia enfrentar meu destino sem te falar o que sinto.
-Dimitri… - disse chorando
-Não! Esse não é meu nome.
-Eu sei seu nome, seu nome é Mago Belo. E eu também te amo!
Então, eles se beijaram e se molharam, pois Dimitri esqueceu de manter a barreira.
-Olha o que fez, nos molhou todos.
-Não podia perder esse beijo na chuva. - Dimitri refez a barreira - Agora, vamos voltar ao acampamento, senhorita.
-Senhora. Senhora Yaburano.
-Eu gosto do seu sobrenome, Sabrí. Não precisa trocá-lo.
E eles voltaram ao acampamento, abraçados.

Ficou muito lindo, não é?