Top 5 #39: Séries "desconhecidas" Netflix (Vídeo)

sábado, 29 de setembro de 2018
Olá, pessoal! Como vão? Espero que bem!
Ca´estou eu trazendo mais um Top 5 em vídeo, dessa vez falando sobre séries desconhecidas da netflix que são minhas favoritas.
Espero que gostem!
Até a próxima e fiquem com o vídeo.

Música #12: Celtic Woman

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Olá, pessoal! Como vão? Espero que bem!
Cá estou trazendo mais uma postagem sobre música aqui no blog. Já disse que amo fazer nesse novo formato? Assim, vocês conhecem e eu descubro mais coisas sobre os artistas ou grupos que eu falo aqui. E o grupo escolhido de hoje é Celtic Woman.
O grupo irlandês de música celta surgiu em 2004, com as membros Chloë Agnew, Órla Fallon, Lisa Kelly, Méav Ní Mhaolchatha e Máiréad Nesbitt.
O grupo tem uma grande rotatividade, então as membros atuais são as vocalistas Máiréad Carlin, Megan Walsh, Éabha McMahon e a violinista Tara McNeill.
Elas lançaram um álbum intitulado Celtic Woman em 2005. Depois deles vieram os álbums A Christmas Celebration (2006); A New Journey (2007); The Greatest Journey - Essential Collection (2008); Song from the heart (2010).
Conheci o grupo no meio das minhas descobertas de Folk. Elas cantam um misto de folk, de pop. Elas seguem até um estilo de música clássica mesmo. E sem contar que os vocais de todas são incríveis!
Mas, vou apontar duas músicas que tenho certeza que foram as primeiras que ouvi. Foram I See Fire Tír na nÓg que é feat com a Oonagh, que eu já falei nesta sessão, dá para ver aqui.

E depois vieram os álbuns  Believe (2012); Home for Christmas (2013); Emerald Musical Gems (2014);  Destiny (2014); Voices of Angels 2016 e o último foi o Homecoming - Live From Ireland (2018).
Admito que elas são um grupo que eu curto e muito, mas estou naquela idade que é meio dificil se tornar de fã de alguma coisa. Mas admiro e muito as músicas delas.
E elas fazem covers maravilhosos de algumas música, como esta de You'll be in my heart do filme do Tarzan.

E uma outra coisa bem legal que elas fazem é o 1 Mic, 1 Take e elas fazem covers lindos de música famosas. (No meu mundo isso se chama Unplugged version, mas ok!)
E tem essa incrível da famosa música tema de Titanic: My Heart Will Go On.
Se vocês quiserem conhecer melhor sobre o grupo, tem uma playlist delas no Spotify, o This Is Celtic Woman.
Já fiz várias sessões de escritas ouvindo as músicas delas. São um folk mais calminho, porque eu preciso de vez em quando.
E vocês, conheciam as Celtic Woman? Se não, gostaram de conhecer?
Espero que tenham gostado da postagem!
Até a próxima!

Resenha #44: Pansy - Vol 1

sábado, 22 de setembro de 2018

Olá, pessoal! Como vão?
Cá estou eu, trazendo mais uma resenha, mas uma diferente.  Dessa vez é de um projeto de comic que ajudei no catarse e eu amei tanto que acho que merece mesmo uma resenha.
Eu vi sem querer passando pelo facebook, me interessei e ajudei com um valor baixo de apenas 15 reais. O nome é Pansy, da autora e ilustradora Katiúscia Renata Paiva Nunes, ou melhor, a Bunda. (É o apelido dela!) Esta resenha será do primeiro volume, pois foi o único publicado, por enquanto.
Enfim, vou deixar a sinopse e falar um pouco. (Acredito que vai ser uma resenha curta até!)
Sinopse: Pansy é uma história yaoi (romance entre personagens masculinos) . A ambientação é o Mundo dos Sonhos, um mundo de anjos, demônios e outros seres fantásticos. O enredo gira em torno do romance entre os protagonistas Paulo e Brian, mas a história é levada também para outros caminhos. Conhecemos mais sobre o mundo onde as personagens vivem, seus passados, dilemas e segredos e sua relação com outras personagens da trama. Portanto acredito que mesmo quem não curte especificamente romance entre homens, mas gosta de histórias focadas no psicológico das personagens e em relações interpessoais, vai gostar dessa história também.A história completa será dividida em 4 volumes, ao longo acompanharemos o crescimento pessoal das personagens e o aprofundamento de seu relacionamento.
A comic é composta de 24 páginas e elas contam o início do relacionamento de Paulo e Brian, que são o casal e protagonistas dessa história.
Eles vivem na Cidade dos Anjos. Paulo é um artista que vende sua arte dentro de um bar todas noites. Já Brian é tenente e vive no bairro militar da cidade.
Os dois se conhecem no bar que ambos sempre frequentam. Paulo aborda Brian mostrando um desenho que fez dele, mas o desenho acaba rasgando e Brian é grosso com o outro.
No dia seguinte, Paulo pede desculpas a Brian e ele só pede que não o importune mais. No dia seguinte, Paulo traz uma bebida para Brian e eles brigam, até que Brian sai do bar e Paulo o segue, pedindo desculpas sem parar. No final das contas, eles caminham juntos e em silêncio.
A partir dai que começa a relação deles. Eles vão se conhecendo, se encontrando todas noites no bar, conversando, rindo, bebendo.
Mas, no final, eles percebem o que realmente sentem e também há o medo do que pode acontecer. Acho que sempre existe isso nos yaois. haha
Eles decidem que vão tentar, confiando um no outro e se beijam.
É só uma parte dessa história que tem ainda três volumes na frente, mas eu amei muito! Amei os personagens, o universo, tudo. Adoro o jeito fofinho do casal, eles combinam mesmo sendo tão diferentes.
Sem contar que a edição está bem bonita, mesmo sendo até bem simples, é uma espécie de zine mesmo. E não problema nisso!
As páginas internas são em preto e branco, ou melhor, com tons de cinza. Adorei a arte da autora! É tudo muito detalhado e bem feito.
Agora eu quero é saber mesmo como essa história terminar. Vou precisar dos outros volumes. ahha
Além disso, eu ganhei um poster A3 do Paulo e do Brian, que é uma coisa linda demais! <3

E se você gostou do que eu disse brevemente, aproveita que a campanha para a publicação do Volume 2 já está acontecendo. Cês podem acessar aqui!
E tem uma recompensa em que você leva o primeiro volume junto. Então aproveitem!
(Eu vou garantir o meu em breve!)
Mas, provavelmente só no ano que vem porque a autora ainda está produzindo os desenho, então a campanha tá com a data aberta, então é tipo uma pré-venda.

Então, pessoal, espero que tenham gostado da resenha de hoje, mesmo que pequenina.
Até a próxima!

3 filmes, 1 post: A Barraca do Beijo, Doce Argumento e Órbita 9

terça-feira, 18 de setembro de 2018
Olá, pessoal!
Tudo bem? Eu espero que sim! =D
Hoje trago mais um "três alguma coisa", onde copilo três coisas de mídia semelhante e faço um mega resumão deles.
Alias, queria fazer uma errata, porque no nosso último sobre filmes, tivemos um filme repetido, que foi o Fica Comigo. Mas, vocês me perdoam né? haha
Enfim, esses três eu tenho certeza de que eu não fiz separado. E maioria desses filmes já vi tem um tempão.
Bora para mais um "3 filmes, um post".
O primeiro é A Barraca do Beijo / The Kissing Booth.
É o clichezão teen que todo mundo gosto. É um filme divertido, mas ele é repleto de problemas.
A história é a seguinte. Temos dois melhores amigos de infância, Ellen e Lee, que nasceram ao mesmo tempo e sempre fizeram tudo juntos, assim como as suas mães. E eles criaram umas regras quando tinham uns sete anos e uma delas é que eles não podem namorar os irmãos um do outro.
Mas, o Lee tem um irmão mais velho que é interesse de maioria das meninas na escola. Então, com eles já na adolescência, vai ter um festival da escola e os dois amigos decidem que vão fazer uma Barraca do Beijo para a festa. E lá que a Ellen acaba beijando o Noah, e a partir dai os dois começam a namorar.
O filme é fofinho, é legal, engraçado. Tudo bem que tem hora que o Noah é extremamente problemático, mas a gente perdoa porque ele é adolescente ainda. Mas, o filme até termina dentro do esperado, ou melhor, nem tanto, porque eles nem ficam juntos no final.
Alias, tem pouco tempo que eu descobri que é baseado num livro.

O segundo é Candy Jar/Doce Argumento.
Temos dois adolescente que fazem parte do clube de debate e eles são rivais um do outro.
É aquela coisa, eles querem ser os melhores para entrarem na maior faculdade. Eles competem no individual, mas ai, por um problema, se não me engano eles perderam o campeonato individual, eles tem que competir como uma dupla. E o filme desenvolve dai.
A coisa mais triste do filme é que a conselheira que eles visitavam sempre e a característica dela que dá nome ao filme - porque ela tem diversas jarras de doces na sala dela - acaba morrendo logo no início.
Os protagonistas não são lá muito cativantes, mas é legal ver o romance e a relação entre eles.
Esse filme eu nem gostei tanto assim, mas valeu a pena vê-lo de qualquer maneira.

O último é Órbita 9.
Esse filme é sobre uma garota que viveu toda a sua vida numa nave, porque ela está numa viagem para um outro planeta. Primeiro, ela foi com seus pais e depois eles a deixaram por conta do oxigênio.
Só que não é bem assim, ela é uma cobaia num experimento que testa como vai ser a vida das pessoas nessa nave. A viagem dura cerca de 40 anos.
E calma, isso não é spoiler. Eles entregam isso já no trailer do filme mesmo.
Então, um cara novo na empresa da pesquisa, simula que é alguém a acopla na nave dela para um conserto na parte do oxigênio. E depois, com pena, ela acaba tirando a menina de lá.
Acredito que esse filme seja até uma outra leitura do Mito da Caverna de Platão.
Ele leva a garota para viver, mas depois eles percebem que ela pode ter muitos problemas por conta de ter vivido toda a vida dentro da nave.
No final do filme, depois de uma caçada a ela, eles fazem um acordo e o casal passa a viver na nave.
É um filme legal, mas que entrega boa parte do plot logo no começo.

Então, foram esses filmes que separei para comentar um pouco sobre hoje.
E vocês, já viram algum desses? Se sim, o que acharam?
Espero em breve voltar com mais um post deste tipo.
Até a próxima!

Buller Journal: Agosto e Setembro (2018)

sábado, 15 de setembro de 2018
Olá, pessoal! Como vão?
Espero que bem!
Como acontece a cada bimestre, vim lhes atualizar acerca do meu Bullet Journal, que, para quem não sabe é um excelente método de organização e que tem mais de um ano que estou usando e tem sido ótimo! Acreditem que eu tenho uma noção de quando faço as postagens do blog ou sei quando mais escrevo. Enfim, dessa vez são dos meses de Agosto e Setembro.
Acerca da quantidade de páginas não mudou nada, mas futuramente pretendo adicionar algumas páginas ou até tirar algumas, a gente sempre vai adaptando.
Começando pela capa...
Para Agosto, escolhi um tema bem minimalista, usando os círculos de uma régua que ganhei numa festa julina. E fiz usando as sequências de círculos, pintando com canetinha, o que manchou o outro lado todo. haha Uma fonte bem reta e que lembra capa de livro distópico.
Para Setembro, pensei na primavera e nas flores, então ficou algo bem colorido e fofo diria. Usei umas inspirações do pinterest e fiz flores de diversos tipos na capa e o mês em uma fonte bem caligráfica.
 

Já na Tabela de Escrita....
Agosto: Usei mais das sequências dos círculos, do lado e em baixo. Pintei os círculos com lápis de cor, porque eu vi a cagada da canetinha.
Setembro: Pensei no dente de leão, como se fossem as palavras que se espalham e plantas sementes. É assim que me sinto quando escrevo.

Tabela de Hábitos...
Agosto: Fiz algo basicão mesmo! Círculo grande com o texto. Os tópicos da legenda tem círculos também.
Setembro: Fiz uma letra bonitinha e uma florzinha como o O. Super criativa eu! -SQN

Página do Youtube...
Agosto: Fiz uma play com um círculo. (Eu disse que era minimalista este mês!) Usando esse fonte mais simples, dividi a página no meio e coloquei os canais em cima.
Setembro: Como "You" em cima e "Tube" em baixo da página, cada um acompanhado da sua flor, dividindo a página com um galho bem fofinho.

Assistidos e Outros Projetos...
Agosto: Bem clean mesmo. Coloquei mais uma linha de círculo e com os nomes escritos bem perto dele, para ter espaço para digitar as coisas. A de projeto ficou meio esquisita, mas fiz alguns círculos grandes e só.
Setembro: Usei para dividir a página desenhos de flores e folhas. Com tons de verde, coloquei os títulos. Ficou simples e bem colorida. Já a dos projetos pensei no céu e usando tons de azul fiz umas nuvens. Nada muito genial.

E para terminar, as Músicas do Mês...
Agosto: Fiz vários círculos coloridos, usando a página deitada e por pouco não deu para escrever as músicas, porque a letra é enorme.
Setembro: Agora com a página em pé, fiz umas folhas estilizadas e que deram muito trabalho, mas que ficaram lindas, ainda mais com as cores de As Super Agentes.


E temos o vídeo onde vocês podem ver melhor como foi o processo de fazer as decorações e desenhos desses últimos meses.


Então, assim ficou meu bullet em Agosto e Setembro. Espero que estes tipos de post inspirem vocês a fazer um bullet para vocês.
Até a próxima!
Beijos!

Kyon #42: Sinopses Remake ~Episode 3~

terça-feira, 11 de setembro de 2018
Olá, Kyon aqui de novo!
Como vão? Eu espero que bem!
E continuarei hoje com a nossa nem tão nova sessão de comentários de Sinopses. haha Como disse nos anteriores, eu fazia no meu extinto Blog do Kyon, então aproveitando a leva de Anelise refazer as sinopses, por que não comentar de novo?
Hoje serão sobre mais dois livros: Sayonara Days e Mutsu Ike.
Vocês podem ler as partes anteriores aqui: Sinopses Remake ~Episode 1~ e Sinopses Remake ~Episode 2~.

Sayonara Days
O final do ensino médio se aproxima e com ele vem todas as memórias vividas.
Cinco amigas percebem que este período tão bom de suas está para acabar e resolvem construir um diário como um forma de registro de suas histórias de ensino médio.
Contando como se conheceram, a entrada e saída de algumas pessoas no ciclo de amizades, provas e trabalhos escolares.
O diário contém um clima bem nostálgico, de lembrança. Cada uma delas conta sua parte de cada história, em comum acordo. Tudo de uma maneira leve e divertida.

Comentário do Kyon: Anelise, recentemente até, que não vai terminar essa história. Se não me engano foi numa resposta de stories, que alguém perguntou exatamente isso: sobre algum livro que ia abandonar mesmo.
Enfim, como temos o JV como a homenagem ao meninos, o Sayonara Days entra como uma homenagem as meninas. Mas, diferente do JV, não teria nada inventado, seriam mesmo as histórias de ensino médio. Então, seria bem provável que teríamos problemas com nomes se não fossem os usos de apelidos já pensando nisso.
Teriam casos reais dos "inimigos" do colégio, das apresentações de trabalhos importantes, das festas importantes. Então, quem viveu, talvez percebesse.
Mas, sabe quando você começa a escrever a coisa sem pensar muito bem? É isso com esse livro!
E ainda bem que ela não vai terminar, porque metade das histórias ela já esqueceu mesmo. ahah A idade chega para todos!
E quanto ao título? É muito conceitual! "Dias de Adeus", nostalgia, tudo isso junto.

Inclusive, tem um vídeo super antigo com o primeiro capítulo deste livro em áudio.

Mutsu Ike
Em um universo paralelo ao nosso mundo, existe uma doença mortal que mata todas as mães assim que seus filhos nascem. Ou seja, gravidez é uma doença mortal.
Nenhum filho conhece a sua mãe. Famílias estão sempre incompletas.
Muitos tentam pesquisas para encontrar um possível, inclusive o casal Palvichenko.
Um dia, uma jovem bate a porta de sua casa, se oferecendo como cobaia para ajudar na pesquisa. Eles confirmam sua gravidez e meses depois nasceu Mutsu Ike. Porém, Asami só sobrevive por um mês, por conta de um erro em seu tratamento.
O casal adota o bebê como filho e o criam, enquanto continuam suas pesquisas, ainda sem sucesso.
Ao completar 17 anos, Mutsu Ike descobre que sua mãe lhe deixou um pista para a cura: Ela está no sangue humano, de um humana especificamente.
Cabe ao garoto visitar a dimensão paralela e finalmente encontrar a resposta que aquele mundo inteiro procura. Mas, ele vai descobrir mais sobre si mesmo em sua viagem!

Comentário do Kyon: E aqui está uma história que com certeza ela vai terminar. Com um plot desse né? É bem doido, mas ele é legal.
Alias, curiosidade: quanto postei a sinopse dessa história no Blog do Kyon, ela ainda não tinha nome. E por pouco não virou "História sem nome". Foi um dos casos mais difíceis que ela teve para colocar um nome. Irônico para quem pensa num livro com o nome já acoplado na ideia.
Enfim, Mutsu Ike tem uma pegada de sci-fi mesmo, sem vergonha de ser feliz.
A história veio por causa de um sonho e depois que a ideia acabou se fundindo no que é hoje.
É um livro complexo de escrever, porque precisa de muita pesquisa, principalmente com a parte científica. Mas, quem aos 17 anos, que escrevia por diversão ia pensar nisso? Anelise que não era!
É um livro que tem um enorme potencial! De verdade!

Alias, temos um vídeo bem antigo sobre ele lá no canal do Contos Anê.

Bem, pessoal, espero que tenham gostado de conhecer mais um pouco sobre essas histórias hoje.
Logo logo teremos o ~Episode 4~ das sinopses. ahha
Até a próxima!
Beijos do Kyon!

Assistindo, Lendo, Etc... #13: Agosto 2018

sábado, 8 de setembro de 2018

Olá, pessoas! Como vão? Eu espero que bem!
Cá estamos nós, com mais um mês dando o ar de sua graça e foi um mês que voou este ano: Agosto.
E com este post a gente completa exatamente um ano que eu comecei essa sessão, foi no mês de Agosto de 2017. Ou seja, tem um ano que eu paro no início do mês para dizer o que consumi no mês anterior. E aproveito este post para divulgar algumas das coisas que tiveram no blog antes e também sobre a minha carreira de autora, seja sobre publicações ou sobre os livros que posto nas plataformas.
Enfim, sem mais enrolar, bora lá! Começando pelo filmes...
Até vi poucos filmes, só quatro. Pets, que resolvi reassistir. É um filme legal, mas nada muito além disso. Também vi Para Todos os Garotos que já amei, e que filme, gente! É maravilhoso! Fiz até um post sobre ele aqui no blog.
Terminei de ver Ibiza: Tudo pelo DJ, eu não sei porque parei o filme no meio e decidi terminar de ver e não aguentava mais aparecendo na minha lista da Netflix. E ainda que adiei ver, imagina se tivesse perdido duas horas de uma vez? Pois é, é uma filme bem OK!
Por último vi Tal Pai, Tal Filha assim que saiu. E ela é bem divertido. Adoro a Kristen Bell e adoro o jeito dela de fazer humor. Esse filme vale a pena naquele dia sem nada para ver.


Quanto as séries, eu tenho visto poucas.
Eu sou a louca de gostar de série infantil/teen. Assisti uns episódios de A Pior das Bruxas. É uma série bem legal e bobinha em alguns momentos, mas eu vejo para relaxar mesmo e rir das tosquices. Alias, tem uma personagem que a parece a Malena, do youtube. E a protagonista é muito perdida, tadinha. Estou na Temporada 1, Episódio 9.
E claro, eu gosto de rever umas coisas também. Então, sim, estou reassistindo Winx Club com muito gosto e muita nostalgia. Esses desenhos de TV nunca acompanhava muito sequencialmente, então rever tá sendo ótimo para pegar a história direito, mesmo que vendo quebrado desse para entender. 
E quero avisar que Riven é um dos meus crushs do desenho. *foge*
Estou na Temporada 2, Episódio 1. (Só vem Layla.)

Quanto aos livros, bem eu nem li tanto assim, só terminei de ler o Contando Estrelas e tivemos resenha dele aqui no blog. E nem preciso dizer que eu amo tudo o que Luciane Rangel escreve. Acho que a gente tem um estilo parecido, em questão de temática, porque ela adora colocar umas coisas asiáticas, igual a mim. Enfim, vocês ler a resenha aqui.

Já de livros novos, comprei vários. Claro, a gente tem uma prateleira inteira para ler, ma gente vê o livro e não resiste. haha
Comprei os livros da Jana Souza, um amiga poeta que lançou seu livro 24 Horas na FLIP e na Bienal. Comprei a ganhei de presente o zine O Pinto Bisbilhoteiro e a Bunda Feliz, que é um quadrinho baseado em um poema dela. O livro vai ganhar resenha no blog em breve.
E também tem os livros espíritas, um deles eu comprei no aniversário da minha casa espírita, foi o Jesus e Você. E já na CONJER, como tem a feirinha de livros e a gente pode pegar, acabei levando A Intrusa - que é romance - e Conquistando virtudes, combatendo defeitos - que é um livro de mensagens.
A otaka fedida tinha que comprar mangá também. Comprei  o Puella Magica Oriko Magica - que é outra história de Madoka Magica, que tô querendo ver o anime -  e o Pansy, que veio de um projeto que ajudei no catarse. Vai ganhar resenha no blog também.
E teve lançamentos também. Dessa vez participei da antologia das Mulheres Reais: Construtoras do Bem. Além disso adquiri os outros livros já publicados delas, tá faltando só o primeiro.


Quanto as músicas, tivemos dois álbuns maravilhosos  este mês.
O primeiro foi o Heart of the Hurricane do Beyond The Black, que até citei mês passado. E ao ouvir o álbum completo, eu só tive um treco, porque ele é incrível. Especialmente a música chamada Parade. (Quem me conhece sabe né?)
O segundo foi o novo álbum da Masami Okui: Happy End. Esse álbum tá maravilhoso também. Okui-san é incrível.
Já de música avulsa tem o Plastic Love da Mariya Takeuchi, que virou um meme na internet inteira. Quem sabe não faça um post explicando melhor. Achei o assunto interessante e o adoro o estilo dessa música por me lembrar e muito minha OST amada do Ai no Kusabi. "I know that's Plastic Love!"


E quanto as histórias postadas nas interwebs, temos um conto novo, que foi o Café com Letra.
O tema dessa vez foi o inverno e eu resolvi fazer algo bem BR e bem Rio de Janeiro, em homenagem ao nosso inverno de 15ºC. O nome é Quadrilha do Inferno, porque sou dessas.
A história é sobre uma adolescente que tem que dançar quadrilha com o resto de sua turma para a festa julina e acaba sendo um experiência bem diferente do que ela espera.
Eu me diverti muito escrevendo ela, espero que se divirtam lendo-a. Vocês podem no Contos Anê Blog.

Bem, pessoal, foi só apenas tudo isso para o mês de Agosto. Ele costuma ser uma mês mais arrastado, mas dessa vez ele passou mais rápido do que eu percebi.
E vocês, o que leram, assistiram ou até escreveram no mês passado? Contem aí!
Até a próxima!

Precisamos falar sobre... #15: Incêndio no Museu Nacional

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Olá, pessoal! Como vão? Eu espero que bem! Admito que estou bem, mas muito sentida com o motivo pelo qual estou fazendo a postagem de hoje.
É com muita tristeza que digo que o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista acabou pegando fogo no último domingo, dia 02 de Setembro. Bom, isso já deve ter sido noticiado em vários lugares até essa altura e vocês já devem ter uma noção do que era esse museu.
Era apenas o maior museu da América Latina, com um acervo inestimável. Eram múmias, esqueletos de dinossauros, do homem primitivos, fosseis de animais e de plantas - sendo algumas já extintas.
Inclusive, este museu foi a casa de D. Pedro II que era um entusiasta de tudo, muitas coisas que tinha no museu foi o próprio quem trouxe. Então, além das peças, o próprio prédio em si era histórico.
Eu já visitei este museu algumas vezes e eu lembro de ter adorado ver tudo o que tinha ali. E sinceramente, é um dos museus mais acessíveis do Rio, até porque ele fica junto do Zooloógico praticamente.
Mas, de uns anos para cá, tanto o Rio Zoo quanto o Museu tem sofrido bastante. O Zoológico chegou a fechar algumas vezes por falta de verbas e o museu também sofre com a falta de verbas. Já era para este prédio ter sido reformado, colocando sistemas para protegê-lo de situações como da que aconteceu no domingo.
Infelizmente, parte do acervo acabou se perdendo com as chamas. E infelizmente também porque eu vi a lista desses objetos - só catar no twitter que acha - e também vi fotos dos pesquisadores do museus tentando desesperadamente salvar o que ainda não tinha sido atingido. É algo horrível de se ver! De verdade! É a história sendo levada pelo fogo!
E dá para se perceber que este não é um caso isolado. Vários outros museus e locais de pesquisas sofreram com incêndio nos últimos anos.

É uma coisa a se pensar! Será que o governo realmente está dedicando o que é realmente necessário para manter estes patrimônios. Não gosto muito de falar de política, principalmente na internet, especialmente aqui no blog, acho que nunca falei. É a primeira vez!
Mas a gente nota o quanto há descaso e negligência nessa situação e a culpa, bem, pensem vocês. Porque é aquilo: O buraco é sempre mais em baixo! E na boa, não quero entrar nesses méritos.
O mais triste é ver que teve gente que não se importou, que achou que tava tudo bem, é só um monte de coisa velha né? Não é um monte de coisa velha! São peças que fazem parte da nossa história, não do Brasil só, do mundo todo praticamente.
Sinceramente, se você não vê nada de errado aqui é porque você é realmente uma pessoa sem cultura alguma. Vi diversos comentários, até a piada ridícula de "Mas quem vive de passado é museu. Opa, era uma museu né?". (Vontade de atravessar a tela e enforcar não foi pouca não!)
Isso só mostra o quanto a cultura está desvalorizada e o quanto tem gente que tá precisando de muita reflexão, porque fica cego a certas situações.
O passado existe sim, faz parte da nossa história e a gente estuda essa história para entender e não repetir os mesmo erros. Mas, tem gente achando que história é coisa fútil.
E infelizmente, só com este extremo é que resolveram fazer alguma coisa. Porque agora apareceram sei lá quantos milhões para restaurar o museu. O museu até conseguem, mas e o acervo? Bem, esse ai se perdeu mesmo.
Espero que finalmente a gente aprenda com isso e que casos como esse e de outros locais não se repitam! Chega de deixar nossa história ficar em cinzas!


Deixei a imagem acima para quem puder ajudar.
Sem muito o que falar, só sentir.
Até a próxima!

Mulheres Reais: Minha participação na antologia "Construtoras do Bem"

sábado, 1 de setembro de 2018
Olá, pessoal! Como vão?
Cá estou eu vindo falar um pouco sobre mais uma publicação minha e sim, é em mais uma antologia.
Dessa vez é na antologia de um grupo maravilhoso que participo desde o início do ano: Mulheres Reais.
Elas são da região onde eu moro e o grupo se formou em Agosto do ano passado (2017) e elas publicaram sua primeira antologia em Setembro de 2018, lá na Bienal do Rio.
O grupo tem como objetivo dar voz a mulheres que normalmente não teria, onde elas mostram a sua voz poética. São aquelas mulheres que passam por nós todos os dias. Donas de casa, professoras, executivas, trabalhadoras, mães, crianças, adultas, na terceira idade. São reais! E estão ai!
Eu conheci o projeto em Janeiro, a convite da Jana Souza, uma das criadoras e organizadoras, através de uma prima.
E foi lá em Janeiro, durante o sarau mensal, que eu dei a minha primeira entrevista ao vivo e por sorte tenho a gravação e vocês podem ver aqui.
E a partir daí, eu passei a ser uma dessas Mulheres Reais. Até porque, quem olha para mim e de primeira sabe que eu escrevo né?
Costumo brincar que eu sou a prosista no meio das poetisas, porque maioria escreve poesia lá e eu bem, eu tenho os textos aqui desse blog e os livros nas plataformas de publicação. Não sou lá a maior rimadora de versos. Mas enfim...
E com o tempo de participação veio o convite para participar de uma das antologias e eu escolhi o Construtoras do Bem, que é sobre as formas de nós contribuírmos para o bem deste mundo enorme.
Foram dois pequenos textos, o Sororidade e Por Você Mesmo. Mas eu amei ambos!
É uma honra estar em um livro em meio a tantas mulheres maravilhosas!
Gostaria muito de ir ido aos lançamentos que foram em Paraty - na FLIP e em São Paulo - na Bienal, mas só pude ir no lançamento daqui mesmo - que foi em 11 de Agosto - num lugar pertinho e que frequentei por uns anos, pois minha primeira formação é por lá, a Faculdades Integradas Simonsen.
E foi lá que recebi meu certificado e li um dos textos também. Admito que fiquei nervosa!
Alias, acho que fico toda vez que eu vou ler algum texto lá na frente nos saraus.
Com certeza vou participar de muitos mais livros com todas as mulheres incríveis.
E tem algumas fotos lá do dia do lançamento! Deem uma olhada!



Vou deixar brevemente a sinopse e a foto do livro que estou participando.
Sinopse: Um livro que registra o caminhar de mulheres que tiveram a coragem de dar um passo a frente, encarando mazelas seculares, permitindo-se o despertar de dons e carismas. Recolhendo-se em seus cuidados pessoais de maneira a olhar para si fitando que tudo advém do seu interior. As escritas registradas permitem o não criativo, abrindo novas etapas do caminho em meio a tantos formatos, possibilidades de diversidade, na pluralidade que nós é própria. Convidamos cada mulhere a agir na vivência da realidade cotidiana, a descoberta da força da construção que existe dentro de si.
Teça-se! Alinhave-se! Construa-se!

E claro, quem quiser comprar a antologia diretamente comigo, é só ir lá na Loja Contos Anê. Todos os livros vão autografados e com abraço virtual.

E por fim, fiquem com meu vídeo mostrando mais sobre o sarau e também falando brevemente sobre a publicação. Tem vídeos de uns três meses diferentes ai!
Vou ficando por aqui hoje. E espero em breve trazer mais notícias sobre minhas publicações por aqui. Beijos!