Good Morning Call

terça-feira, 25 de abril de 2017

Vamos falar de mais doramas: sim ou claro? haha Enfim... Eu sempre demoro a falar dos doramas que assisto aqui no blog. Estamos no final de Abril e este eu vi no final de fevereiro, lá no meu mês grátis da Netflix. Alias, este dorama é produzido pela Netflix com a Fuji TV.
Falaremos hoje sobre Good Morning Call, que como todo bom dorama japonês tem que ser baseado em um mangá, de mesmo nome. =D
Temos dois adolescentes, Yoshikawa Nao e Uehara Hisashi, que acabam caindo em um golpe imobiliário e descobrem que alugaram o mesmo apartamento. O golpe só foi percebido no dia da mudança, quando eles compararam os contratos. Então, resolvem morar juntos, pois os dois não teriam condições de bancar um apartamento daquele tamanho sozinho, dividindo facilitava.
Eles inclusive são alunos da mesma escola e se descobrissem que eles moravam juntos podia haver expulsão para os dois. No começo é segredo, mas a Nao é doidinha e no fim o ciclo social todo deles sabe.
Alias, este dorama tem personagens maravilhosos. Meus favoritos são o Daichi-senpai e o Abe. Daichi é amigo de infância da Nao e Abe é o garoto que mais tomou foras de meninas na escola, já que ele se apaixona sempre e se declara sempre também. Pelo menos ele tenta!
Temos a Marina e o Mitsuishi que são os melhores amigos da Nao. Issei que é o menino do restaurante de ramen, onde Nao acaba trabalhando.
Se fosse um anime seria um shoujo slice of life mesmo. Tem todo o drama escolar, todo o romance que eu gosto de ver. Mesmo que algumas ações de animes me irritem em dorama, até que aqui é algo aceitável. Chega a deixa a Nao fofinha!
E posso confessar outra coisa? A legenda da Netflix tava com muitos erros e que me incomodavam direto. Bem, o Uehara e a Nao se chamavam pelos sobrenomes por conta da falta da intimidade. Quando era a Nao de boas, Uehara na legenda, mesmo que eu prefira até que coloquem a partícula de tratamento kun. E quando o Uehara ia chamar a Nao, ele usava Yoshikawa e aparecia Nao na legenda. AI MEU PAI! Sem contar erros básicos de japonês né? Nem lembro! E o pior era os "Não, Nao" e eu "buged" total.
Precisa revisar as legendas da Netflix. Na boa! Até uns erros de dorama coreano já peguei.
Deixando este problemas de lado, o dorama é maravilhoso! Eu cheguei a ficar triste quando acabou.
Nao é a típica mocinha de anime, Daichi é o nosso senpai mozão que faz a gente torcer por shipp errado (ou torcer para você ficar com ele), e Uehara é o típico cara arrogante de dorama/anime que a protagonista cai loucamente apaixonada, mas no caso do moço, ele é meio ressentido com algumas coisa, então essa arrogância toda é só fachada.
E sim, uma coisa em comum entre o casal é pudim. (E isto é um sinal para ver Hana Yori Dango.)
Mais um dorama que recomendo! 

Planner de Posts do Blog

sábado, 22 de abril de 2017
Olá, pessoal! Olha só se não é este mais um post sobre algo que tenha a ver com organização. haha Eu disse que uma das palavras de 2017 era "organização".
Já mostrei a vocês meu planner pessoal e agora também fiz um planner para os posts do blog.
Bora ver como ficou?
Primeiro de tudo, eu já tinha feito um caderno para colocar as ideias de posts. E ele é até antigo já, fiz ele ainda com a versão antiga do blog. E ele foi o caderno que fiz no DIY: Capa de Caderno Personalizado.
Nele, eu tenho marcadores com as categorias e as ideias daquele tópico são anotadas ali. É uma grande lista bagunçada de ideia, sinceramente. haha
Foto da capa dele.

Enfim, acabava que usava folhas soltas para fazer a lista de postagens programadas, mas sem data nem nada. E era algo terrível. Sempre me enrolava para fazer os posts e pulava uns porque tava com bloqueio para fazer ou porque tava com preguiça mesmo. Coisas assim!
Acabava que nunca seguia direitinho a ordem que colocava ali.
Então, já vendo com o Planner pessoal me ajudou e muito, resolvi fazer um para o blog também. Já tem pouco mais de uma que uso e tem dado certo. Olha, tá uma maravilha. Só olho a postagem que tenho que fazer e pronto. Não faço "o que dá" faço "o que tá programado". Bem melhor!
Deixa eu apresentar o Planner para vocês, todinho feito a mão do jeito que eu gosto!
Primeiro a capa! Com as letras desenhadas que eu sei fazer. E eu amo essa bonequinha que coloquei. (Tenho uma outra capa com ela. haha)

Na sequência temos um calendário do ano, para eu poder olhar as datas mesmo. Inclusive é o mesmo calendário que tá no Planner. E mais letras desenhadas, pintadas com lápis metálico. haha

À esquerda ficam as regras de postagem, fiz tudo a lápis mesmo porque eu garrancho por bobeira e só assim dá para consertar a cagada! Mesmo que a borracha possa cagar tudo mais ainda. But, it's ok!
Temos a quantidade de postagens por mês, algumas regras fixas para postar, como o dia da semana. Casos especiais de viagem ou o uso de "postagem coringa".
E também temos as categorias de postagens, elas são diferentes das que estão no blog agora. Eu vou fazer novas imagens de "tags para post" e definitivamente atualizar. (Deve dar para ler se ampliarem a foto.)
À direita temos a lista de postagens finalmente. haha Eu fiz uma tabela bem básica, aproveitando as próprias linhas do caderno. Coloquei as colunas: Dia, Título (da postagem), Categoria e Ok (para saber se ela já está no ar ou não.) As datas estão de caneta, já que são fixas mesmo, as duas colunas do meio a lápis, pois elas são passíveis de alteração e a última só recebe um check vermelho.
Já tem um tempo que tirei a foto, então por isso algumas postagens estão desmarcadas ainda. haha E provavelmente tem alteração em post ai também.
Fiz um vídeo para complementar tudo. Acho legal fazer um audiovisual também.


Bem, pessoal, este é o Planner de Posts do Ane-chan's Shizen?. O que acharam?
Eu adorei fazer e estou amando toda a organização que ele está me proporcionando. Vai ajudar o blog a ir mais e mais para a frente.
E se preparem que vai ter mais posts e vídeos deste estilo por aqui.

Resenha #31: The Wedding Eve (Mangá)

terça-feira, 18 de abril de 2017

Olá, pessoal! Cá estou com mais resenha aqui no blog. E sim, de mais um mangá e sim, mais uma oneshot. Porque a vida é melhor com oneshots. haha
Trata-se de The Wedding Eve de Hozumi. Vamos a sinopse e depois falo sobre.

Sinopse: “Só nós”, o tesouro mais triste e precioso de todos. Esta é uma antologia de histórias curtas que compila, além de “The Wedding Eve – A Véspera do Casamento”, outros cinco belos e emocionantes contos, artisticamente imbuídos de lirismo, fascínio e vivacidade.

Apesar de ser um mangá de "volume único", ele esta mais para uma antologia de histórias curtas de Hozumi, como diz na sinopse, sendo o principal The Wedding Eve.
Somos apresentados a várias história diferentes entre si, mas todas muito cativantes. Cada uma das história tem uma sensibilidade tão linda, que a gente lê quase num encanto. E mesmo que algumas sejam tristes, a gente ainda consegue sorrir. Tem coisas que tem sorriso mesmo na tristeza, por conta de lembrar-se com carinho do passado.
Vou citar cada uma das histórias, superficialmente claro.
A Véspera de Casamento conta sobre um casal de irmãos (e eu tava achando que eles eram casal) na véspera de casamento da irmã. Mostrando toda a ansiedade e em como o irmão foi carinhoso com ela neste dia muito importante para a irmão.
Reencontro em Azusa nº 2 é sobre uma menina e o seu pai, que só podem se ver apenas uma vez ao ano. (Se contar porque, é spoiler.)
Irmãos Monocromáticos é o reencontro de dois irmãos gêmeos e o tal reencontro acontece no velório de uma amiga de colegial, que faleceu em virtude do câncer. Os irmãos acabam saindo para beber e se perguntam, mesmo após a morte da amiga, de quem ela realmente gostava na época do colégio. Neste conto a gente vê como a vida pode mudar e em como a gente sempre fica se comparando uns com os outros.
O Espantalho que Sonha (Parte 1 e 2) também é sobre dois irmãos e onde a irmã também vai se casar. Porém, os irmãos estão afastados por outras razões e uns anos antes tinham apenas um ao outro, quando se mudaram para a fazenda do tios, após a morte dos pais. E o Espantalho foi uma fuga para a irmã, já que era o único momento de paz que tinham por ali, pois havia muitos problemas com os outros parentes. Eles realmente não se sentiam bem-vindos na fazenda.
O Pequeno Jardim de Outubro conta a história de uma escritor, com um bendito de um bloqueio. E ele encontra em um corvo e uma garota a inspiração para um novo livro.
E então... é continuação direta do primeiro conto, o irmão adota um gato e tudo é perspectiva dele. E é muito engraçado ver a visão felina sobre nós. Confesso que ele me lembrou muito o Shamisen de Suzumiya Haruhi no Yuutsu. =D
Recomendo o mangá até para quem não costuma lê-los. Sinceramente, daria uma série de episódios bem curtinhos. Uma delícia de leitura!

Bakemono no Ko (O Menino e o Monstro)

sábado, 15 de abril de 2017

Olá, pessoal! Tem quanto tempo que eu não falo de algum filme aqui no blog? E de um anime? Deve ter um bocado de tempo, tô numa época sem muitos animes atualmente, mas pretendo ver alguns que me interessam. Eu sinto saudade de ver anime!
Enfim, hoje vou falar deste filme que eu vi acho que em Outubro de 2016: Bakemono no Ko. Só de curiosidade, o filme é do mesmo diretos de Crianças Lobo, que já falei no blog: Mamoru Hosoda. Tanto que a primeira coisa que a gente percebe são os traços bem parecidos entre os filmes. Inclusive o menino é igualzinho o pai de Crianças Lobo. =D
O filme conta a história de Ren, um garoto de 9 anos, que perdeu a mãe e tem problemas com o pai. Ele acaba fugindo de casa e cruza com Kumatetsu, que é um monstro (com mistura de humano e urso) e leva o garoto para um mundo paralelo apenas de monstros, mas que se assemelha muito com o nosso chamado: Jutengai.
O menino passa a viver junto com Kuma e vira seu aprendiz, alias, mais um, mas o único de consegue treinar com ele.
Em Jutengai, dois monstros, um deles o Kuma, estão para disputar o título de líder do local, já que o atual, que é uma espécie de coelho está para sair dali e se tornar deus. (O que não é algo estranho de acontecer.) Porém, o rival do urso é muito mais popular e tem muito mais aprendizes. Então diz-se que ele é o favorito a ser tornar o novo líder. (Não é bem essa a palavra, mas foi o que encontrei para explicar.)
Anos se passam e Ren, quase adulto já, continua treinando com Kumatetsu e por conta disso a popularidade dele aumenta, então muitos querem vir treinar com ele.
Mas, ai, começam as tretas... Ren consegue voltar ao mundo humano, conhece uma menina e eles passam a se encontrar várias vezes pois o garoto se interessou em estudar. E claro que o garoto quer ter uma vida normal.
Nem quero contar tanto porque senão tira a quase do filme. É uma obra de fantasia maravilhosa e que trata tudo com tanta delicadeza, sem contar a arte maravilhosa da animação.
Só o final que eu queria que fosse um pouco diferente. Confesso!
Super recomendo!
E tem na Netfilx viu? Mas lá tá com o nome de "O rapaz e o monstro" e assistam com o áudio em japonês.

Vídeo: Drama de Baixinha

terça-feira, 11 de abril de 2017

Kyon #20: Vamos falar sobre feminismo?

sábado, 8 de abril de 2017
Olá, pessoal. Kyon aqui e desta vez para falar sobre um assunto delicado: Feminismo.
Entendo como um assunto delicado, pois é realmente complicado falar deste tema. Sei que vai ter gente que vai dizer que “não é meu lugar de fala”, ainda mais eu sendo um personagem masculino.
Na minha humilde opinião, homens podem sim falar sobre feminismo, porém sem tomar o lugar de quem tem “conhecimento de causa” e o “direito de fala”, que são as mulheres.
Não quero discutir sobre isso também, mas podem ter certeza que a dona desse blog já falou muito sobre isto aqui e nunca tomei o espaço dela. Aliás, ela quem me deu espaço para falar aqui. Outra coisa: será sobre meu entendimento acerca deste tema, portanto, não levem o que eu disser como regra, ok?
Afinal, o que é Feminismo? Segundo fonte do Google:

1. doutrina que preconiza o aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade.
2. p.met. movimento que milita neste sentido.
3. p.ext. teoria que sustenta a igualdade política, social e econômica de ambos os sexos.
4. p.met. atividade organizada em favor dos direitos e interesses das mulheres.

E é exatamente o que esta escrito acima, se trata de um movimento que busca igualdade entre os gêneros, lutando por direitos que já existem para o outro e não para elas, falando de forma binária, mas acho que outros gêneros se incluem nisso.
Entendo igualdade como todos serem tratados de maneira igual. Mas nós temos diferenças, como a altura, por exemplo. Então ser tratado também respeitando estas diferenças  e dá-se a isso o nome de equidade.
Sim, sei também que existem várias vertentes deste movimento e que as lutas delas são diferentes entre si. Bons exemplos são o Intersec, Liberal e o Negro. (Tem esse vídeo que pode lhes esclarecer melhor sobre estas vertentes. Anelise me indicou!)


E, usando a dona deste blog como base, concordo com o que pensa. (Ainda haverá um vídeo sobre feminismo.)
Buscar igualdade de salários, de oportunidades. E infelizmente, muitas das lutas feministas têm seus problemas localizados no machismo. (Talvez seja um dos maiores males do mundo.) Colocar as tarefas de casa e de criação dos filhos nas costas da mulher. Culpabilizar a vítima se ela sofre algum assédio dizendo que “ela estava pedindo”. Até as cores das roupas e os brinquedos têm relação nisso. (É algo tão enraizado...)
Sem contar os direitos que elas já conquistaram como trabalhar e votar.
Então, sim, feminismo é importante não só para as mulheres, mas para toda a sociedade, especialmente outras minorias. É uma luta por evolução e evolução é o caminho!

Precisamos falar sobre... #9: Vídeos da Marcela Tavares

terça-feira, 4 de abril de 2017

Olá, pessoal! Como vão? Pois é, meu dedinho acabou coçando de novo e eu deixei o meu cronograma de postagens um pouco de lado para poder falar sobre este assunto, já que ele entrou em evidência na minha timeline do facebook.
Trata-se dos vídeos da série Não Seja Burro da Marcela Tavares. A série já tem um relativo tempo já, sendo seis vídeos no total. Vou deixar o primeiro para ilustrar e continuo depois.



Admito que me identifico com a situação retratada no vídeo, até porque eu tenho um Pedantismo Gramatical em um certo grau. E me identifico e muito com o rage que ela dá. Porque eu dou rage em algumas situações da vida, é minha forma de extravasar a raiva.
E sim, dei risadas com o vídeo, porque me identifico mesmo e tem hora que ela bate com tanta força no quadro que o cenário chega a cair. OVERACTING APENAS!
Alguns vieram falando que o vídeo reforçava o Preconceito Linguístico, concordo nesse ponto, até porque também estudei Sociolinguística, como uma pessoa fez questão de ressaltar num comentário. Alias, foi uma das matérias que mais amei no meu curso de Letras, me fez entender o quanto a língua é viva e muda constantemente apenas por seu uso pelos falantes. Ainda com a "Lei do Menor Esforço" que nos faz emendar as "palavra tudo".
E disseram que ela queria enfiar a norma padrão goela abaixo das pessoas, humilhando quem sabe menos e não teve oportunidade de estudar.
Concordo com todos os argumentos usados. Mas sabe o que eu enxerguei ao ver esse vídeo? Como se ela estivesse falando com uma pessoa que viu isso umas quarenta vezes na vida e mesmo assim ainda comete o erro.
Eu penso nos colegas de faculdade que estudam comigo e fazem essas coisas.
Não quero dizer que as pessoas tem que ser gramáticas ambulantes. Não é isso! Mas ter uma boa noção da língua escrita e não errar coisas básicas, como as faladas nos vídeos.
Sei dos problemas de educação que tem no país e outros pontos que as pessoas levantaram.
Lembro bem, na infância, quando minha vó deixou um bilhete e eu lembro claramente de uma palavra, que parei um tempão durante a leitura tentando decifrar o que era. E sabe o que era? "Quando", mas escrito "condo". Eu devia ter uns 9 ou 10 anos e só achei aquilo um pouco estranho, mas eu sabia bem que minha vó não tinha muito estudo.
Mas, teve um outro caso que me marcou, mais ou menos na mesma época. Para quem não sabe sou espírita desde os 9/10 anos. Enfim, eu frequentava a Evangelização Infantil aos sábados (e atualmente estou do outro lado da coisa, dando aula haha). Num dia das mães fizemos uns quadros de presente para dar, embrulhamos num envelope de papel pardo e deveríamos escrever nosso nome e de nossa mãe. Eu fiz a tarefa tranquilamente. Como já tinha acabado, fiquei esperando liberarem e ai, fui prestar atenção na menina do meu lado e vi que ela estava copiando do meu. E ela colocou "De: Anelise". Eu, naturalmente, falei: Você tem que colocar o seu nome e da sua mãe. Mas ela não sabia fazer isso e eu ajudei, ditando para ela o que deveria escrever. Ela tinha a mesma idade que eu! Não sei se estudava, nem lembro, mas se estudasse não tava adiantando muita coisa, infelizmente.
E outra coisa que pergunto, por curiosidade apenas: E se não tivesse uma "Norma Culta Padrão"?
Imagina se cada um escrevesse da forma que achasse que as palavras se escrevem. Só consigo imaginar um enorme bagunça para se entender algum texto escrito. Mesmo que algumas vezes sendo inclusas meio atrasadas, as regras servem para todos seguirem uma mesma linha e organizar o que já existe. (Eu sei que bicicreta e brusinha já foram "padrão" num passado.)
Em questão de fala, eu não vejo tanto problema, porque a linguística me ensinou que a mensagem tem que ser passada, não importa como, palavras "erradas" inclusas.
Os vídeos são uma forma de como não ensinar português.

Mirror of the Witch

sábado, 1 de abril de 2017

Mais dorama aqui no blog. haha O que posso fazer se gosto não é?
Falarei hoje sobre Mirror of the Witch, que vi na sequência do último dorama falado aqui. Só de ter lido a sinopse já corri para assistir o primeiro.
O dorama tem a dose certa de épico e fantasia, o que é um ponto positivo.
Tudo começa no palácio, cujo reino que esqueci o nome, onde a rainha tenta engravidar mas não consegue. Então, se utiliza de métodos ilegais para conseguir engravidar, com ajuda de uma xamã (Hong Joo maravilhosa), usando magia negra. No caso, eles usaram uma sacerdotisa para dormir com o rei e engravidar e depois passariam o bebê da barriga dela para a da Rainha.
O plano dá certo, mas a sacerdotisa profetiza que serão gêmeos e que eles serão amaldiçoados.
Enfim, nove meses se passam e sim, nascem gêmeos, uma menina e um menino.
A Xamã pega a maldição e transfere apenas para a garota, já que eles queriam ficar com o menino (coisa da época mesmo) e a menina seria morta num ritual de purificação, mas que poderia ser feito pelo Monge Taoísta, que é rival da Xamã. Porém, eles tem uma relação antiga e o Monge aceita fazer o ritual. O que ninguém sabe é que ele não matou a menina e sim a escondeu numa casa na floresta.
Dezessete anos se passam e começa a rolar a treta.
A menina, que se chama Yeon Hui, descobre da pior forma a sua maldição e que ela afeta as pessoas que mais gostam dela. E Hong Joo não vai deixar ela viva assim tão facilmente. Ela quer acabar com a garota.
A partir dai, começa a guerra entre as duas. Uma para quebrar a maldição e a outra querendo que o reino se afunde mesmo (a Xamã no casa). Isso mais a segunda fase, que ela tem que acender as velas realizando os desejos das pessoas.
Os elementos de fantasia são muito bem encaixados. Tem efeitos especiais e de computação bem feitos. Uma história que te deixa preso do início ao fim. Claro que tem a dose de romance que todo dorama tem, mas num épico ele fica como algo secundário em alguns momentos.
O casal principal é um amorzinho, que são Yeon Hui e a Heo Joon, que é só um plebeu mesmo.
Mas o melhor casal deste dorama para mim, de longe, são Hong Joo e Choi (Xamã e Monge). Eu me via shippando-os loucamente durante os episódios e achei o final deles MARAVILHOSO. Não tenho melhor palavra! E juro que escreverei algo inspirado neles. De verdade!
O final do casal principal foi muito, mas muito, O Tempo e o Vento, que é uma série de livros, mas teve filme. Gente, o final é basicamente no mesmo estilo. Vou deixar a cena, mas claro que tem spoiler né? haha
Enfim, é mais um dorama que recomendo para vocês. Não quis contar muito porque o dorama perde metade da graça se eu contar a história. Pincelei bem!
Alias, esqueci dizer que o Choi é interpretado pelo mesmo ator do RAK de Jealousy Incarnate. Imagina o grito que eu dei. Tipo: É O RAK! QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AÍ?
Até a próxima!

Top 5 #26: Filmes Disney (Animação)

terça-feira, 28 de março de 2017

Olá! Como vão? Espero que bem!
Enfim, mais um Top 5 aqui no blog e dessa vez sobre um tema que tinha meses que eu tava louca para fazer, alias, desde que comecei essa seção do blog: Filmes da Disney.
E acho que seria injusto ter que escolher dentre todos os filmes (animação e live-action), então resolvi dividir. Num futuro teremos os meus favoritos da Disney com atores. haha
Bora lá para o top de um vez né! Aviso: Muitos filmes dos anos 90. Aviso 2: Farei um Top com os filmes produzidos pela Pixar depois.

5- Aladdin / A Bela e a Fera
E a gente já começa com o pé direito né? Ainda mais falando de Disney. haha
Aladdin gosto por conta de ser um dos poucos filmes que tem protagonismo masculino. Alias, adoro a história do film e o gênio também, é claro.
A Bela e a Fera só vi por ser um dos filmes favoritos de uma das minhas amigas de ginásio. Fui ver já com uns 13/14 anos e amei tanto. E tô louca para ver o Live action deste ano. Algo que farei sozinha.

4- Alice no País das Maravilhas
Eu passei boa parte da minha infância vendo este filme. Só fui conhecer e ler o livro mesmo mais velha. Quando somos crianças nem nos importamos de que tem o livro.
E, após a leitura dos livros, percebi o quanto a obra é bem adaptada. Mistura um pouco dos dois livros? Talvez. Mas tem vários detalhes que são repetidos iguaizinhos.

3-  A Bela Adormecida
Este eu gosto só por causa das fada e da Malévola, é claro. A dublagem da minha fita VHS era um ponto a favor. Eu amava aquelas vozes doidas das fadas.
Eu gosto mais por me lembrar a infância mesmo.

2- Planeta do Tesouro / Lilo & Stitch
Planeta do Tesouro, que é um puta filme underground da Disney e que praticamente poucos viram, é realmente um dos meu favoritos. Eu sempre tenho vontade de ver. Eu amo o Jim, o protagonista do filme, a temática espacial, os outros personagens. Esse filme é maravilhoso! Sem mais!
Lilo & Stitch é um dos filmes mais reais e amorzinho da Disney. (Recentemente, reassisti na Netflix.) E cara, Nani e Lilo são as melhores irmãs (Perdão, mas Elsa e Anna passam longe delas), tem a diferença de idade e os problemas delas serem orfãs e Nani estar quase perdendo a guarda da irmã. Não como ser mais dramático que isso.
Stitch é a coisa mais fofa. Um dos meus mascotes favoritos da Disney. Eu tenho uma pelúcia enorme dele.
E claro, David, peguete da Nani. OH KAMI-SAMA!

1- Pocahontas / Mulan / Moana
Por que o primeiro lugar do Top 5 não teria mais que uma opção, não é mesmo? Ainda mais se tratando de mim. Eu disse diversas vezes e não é novidade para ninguém que meus filmes favoritos da Disney são Mulan e Pocahontas. Por conta das temáticas feministas? Pode até ser.
Mulan foi o primeiro filme que eu vi num cinema, lá em 1998, com 5 anos. Pois é, tô velha! Mas ele foi virar favorita mais pra adolescência mesmo, por eu ver como a Mulan é maravilhosa!
Pocahontas era realmente o filme que mais assisti na infância. Meu VHS tá sofrido, coitado.
E Moana entrou na lista depois que eu sai do cinema. Amei Moana, quem não viu ainda, assista, pelo amor das divindades.

Bem, pessoal. Esse foi mais um Top 5. E quais são os filmes de animação favoritos da Disney de vocês? Comentem ai!
 

Vídeo: Síndrome "Lixo Nacional"

sábado, 25 de março de 2017


Kyon #19: Minha Protegida e a música

terça-feira, 21 de março de 2017
Olá! Kyon aqui. 
Como vão? Eu estou bem! :3
Hoje vim trazem um post do antigo Blog do Kyon, lá do ano de 2014, falando sobre a relação da Anelise com a música. Pensei em fazer este repost porque é sempre um tema recorrente por aqui no blog e acho que ela nunca lhes explicou realmente qual a relação da música na vida dela. É ainda mais importante do que pode parecer para vocês.
Alias, considero esses meus posts antigos tudo uns textos que eu gosto bastante.
Sem mais enrolar vocês, bora lá!

Minha protegida e a música

Todos nós temos uma relação com a música desde que nascemos. Se bobear até antes disso. Afinal, o que se faz para colocar uma criança para dormir? É, cantar. Ainda são aquelas músicas sem nexo algum.
Obviamente, quando era criança, Anelise escutava músicas infantis. Algumas coisas relacionadas aos musicais da Disney e os desenhos que assistia. Bananas de Pijamas, por exemplo. (Sim, existia cd disso.)
Por muitos anos foi apenas isso, músicas de infância e que são nostálgicas atualmente. E muitas por influência da televisão.
Até o início do ensino médio foi assim! Até que ela começou a ser influenciada também pelo meio social dela. As pessoas escutavam música de "gente normal", ou melhor, americanas.
Em 2007, graças a internet, ela assistiu Suzumiya Haruhi no Yuutsu e acabou baixando alguns Characters Songs do anime. Foi ai que ela entrou no mundo da música japonesa, porém ainda manteve o "normal".
Com o passar do tempo, ela foi se aprofundou na J-music e deixando a outro de lado, por achar que sempre era a mesma coisa. Até hoje acha isso!
Atualmente, minha protegida é totalmente japonesa nesse quesito. Os momentos em que escuta outro tipo: ou porque é antigo e ela já gosta da música ou quando é algum evento social de pessoas normais.
Do primeiro modo tá beleza! Ela ouve simplesmente por querer e lhe dá nostalgia.
O segundo modo é o que a deixa mais puta! Porque ela vê todo mundo empolgadão dançando e ela com aquela cara de bunda, justamente por não gostar e também por apenas requebrar sozinha no seu quarto.
Quem a acompanhar pela internet afora sabe o quanto ela escuta música japonesa e aumentou ainda mais por conta do Seiyuu World.
Enfim, qual a relação que Anelise tem com a música no seu dia-a-dia?
Além de ser alguma coisa boa, de um estilo que a satisfaz muito, também tem o detalhe que aquilo a completa de alguma forma. Já virou parte dela! Nunca foi uma grande fã de música nacional e americana.
Mesmo não entendendo quase nada de japonês, ela sente algo diferente ao ouvir. Tem horas que a música ultrapassa as barreiras da língua.
É uma coisa mais emocional e profunda, confusa e barulhenta como ela é. Cada música é de um jeito, não é "sempre a mesma coisa". Não é uma coisa repetitiva.
Influencia como otome, como escritora, como pessoa. Ele se desliga do mundo quando começa a tocar os "arigatos" e "sayonaras" da sua amada J-music. Algumas foram escolhidas como temas de suas histórias.
E ela tem certeza que vai ser um amor eterno! Afinal, Anelise não seria ela mesma sem a J-music.

Claro que algumas coisas mudaram desde aquela época para cá. Ela descobriu o amor pelo folk e o metal. Bem, ela já gostava do rock, mas dessa vez tá afundada nesses dois estilos, sem nunca largar a J-music e também incluiu alguns K-pop.
E vocês? Qual sua relação com a música? É algo para todas as horas ou só para alguns poucos momentos?

Dicas para escrever: Bloqueio e Hora para escrever

sábado, 18 de março de 2017

Tinha quanto que eu não fazia um Dicas para Escrever aqui no blog? Uns bons meses, com certeza.
E dessa eu voltei e pretendo fazer com mais frequência sim, fiquem a vontade sugerir temas que vocês tenham dúvidas que eu anoto e falarei sobre.
Se você não viu as anteriores: Dicas 1Dicas 2Dicas 3Dicas 4 e Dicas 5 e Dicas 6.
Lembrando que são dicas e que elas não devem ser levadas como uma "regra universal", apenas algo para lhes dar um luz sobre o assunto e claro, vocês poderem estudar sobre depois.
Hoje são duas coisas, uma que assombra muitos autores e outra que acho que realmente todos os autores deveriam fazer: Bloqueio Criativo e Hora para Escrever.
Bora lá! =D

Bloqueio Criativo

Esse aqui atrapalha muita gente. Pega a gente de uma forma que não é capaz de ficarmos sem escrever uma palavra por dias.
Alias, quando a gente pede em grupos de fanfics para que as pessoas perguntem e tirem suas dúvidas, esta é uma pergunta recorrente: Como faço para sair do bloqueio?
E admito que chega a ser chato as pessoas perguntarem sobre isso o tempo todo. E sim, vou tirar de novo esta dúvida por aqui.
Primeira coisa: Não fica se obrigando a escrever, porque só vai acabar piorando a sua situação. Você vai se pressionar para algo sair e se sair, não vai ser lá essas coisas e depois você vai apagar tudo.
O maior conselho que eu dou é aceita o bloqueio, abraça ela. A criatividade tem hora que não flui. Tem dia que a gente não tá muito bem. Somos humanos, essas coisas acontecem mesmo. É normal! Não se desespera!
Como disse antes, se forçar é a pior coisa. Porque se travou, se deu tela azul, é porque você acabou sobrecarregando alguma coisa. Apenas descanse! Faça coisas que você gosta, como ler um livro, assistir um filme, uma série. Mas se desliga da ideia de escrever. Completamente!
Sabe a lei de Murphy? Pois é, ela age nessas horas.
Vou citar um exemplo de quando eu tive um bloqueio tenso e é até recente.
Eu gosto de jogar RPG e pretendia participar de um que é mestrado pelo namorado da minha amiga (Mari, lá do Café com Letra, admito). Eu tava com vontade de participar, mas nem sabia por onde começar a fazer a personagem, só tinha a ideia de que queria que ela fosse BR, já que maioria é tudo japonês, tendo em vista que a história é numa escola de delinquentes.
E ficaram os três - a amiga, o namorado dela e o meu também - me pressionando a fazer a personagem. E se tem outra coisa que me bloqueia é fazerem uma pressão em mim. (Já até contei no blog num texto, o Pressão por ser escritora.)
E tavam lá eles me forçando a ter uma ideia e montar um enredo, começando pelo caminho inverso do que eu faria, pela aparência. Buscando referências de personagem de anime para depois cuidar de dados que ao meu ver são mais importantes. Acabei ficando com uma personagem de Sket Dance e continuei sem ter a ideia do enredo. E eu tava nessa de "preciso ter uma ideia, eu preciso".
Eles foram embora e sabe quando fui ter uma ideia? Quando eu estava jantando com a família. E sabe o estalo? Foi um puta de um estalo! E em dois segundos tinha tudo na cabeça e só fui e escrevi depois. Mas só veio mesmo no momento mesmo em que eu parei e meio que esqueci.
Ter bloqueio é assim! (Alias, eu vou contar sobre essa personagem e as outras de RPG que já tive num outro post.)

Hora para escrever

E aqui entra uma dica que pode e muito também ajudar a evitar bloqueio: Separar uma hora para escrever. Essa é uma dica que vários autores dão. Separe um momento do seu dia apenas para escrever, como um compromisso seu com o seu livro/conto/etc.
É um exercício, você condiciona o seu cérebro a trabalhar no livro apenas naquele momento.
Você pode escolher a hora em que acha que a sua escrita flui melhor e isso varia de autor para autor. Pode ser de manhã, a noite, só escolhe um horário na sua agenda para tal.
Eu por exemplo fluo muito bem a noite, algo como 23h - 00h, e nas aulas da faculdade - tô falando sério. Não costumo escrever muito em casa a noite, só quando estou realmente necessitada de terminar alguma coisa, seja post do blog, um conto, ou um capítulo.
E juro que funciona, a coisa toda flui que é uma maravilha. Aqui em casa costuma ser muito barulhento o dia todo, só neste horário é que vão se arrumando para dormir e fica tudo quieto. Ai é aquilo: Ambiente quieta, cabeça barulhenta e borbulhando ideia. (Inclusive estou escrevendo este post num momento desses, com uma música da Nana Mizuki nos fones.)
Tem autores que falam para fazer isto uma hora por dia e para quem não tem costume é uma ótima para começar. Só que se não for possível todos os dias, por conta de trabalho, de estudos, por outras razões, use o horário do seu final de semana. Veja qual é melhor para você. Mas claro, nesse caso, tem que mais de uma hora, podem ser duas ou até três. Não necessariamente todas corridas, pode-se dividir também. Não tem via de regra! É questão só de se organizar. (Se organizar direito, todo mundo escreve, ou melhor, todo mundo é escrito.)
E o que isso tem a ver com bloqueio, Anelise?
Ao fazer isto você se condiciona a sempre escrever naquela hora e já é justamente a hora que você flui, sendo que depois dela você faz suas outras tarefas. Então tem um bom tempo de descanso e um tempo de trabalho. E o descanso evita que o bloqueio aconteça, o exercício diário também.
Só outra coisa: Peçam para não te incomodarem nesse momento, porque ninguém merece parente chamando quando se está no meio da frase importante e depois se perde na imensidão.

Bem, pessoal, essas foram as dicas de hoje. Espero que tenham gostado.
Foram um pouco diferentes do habitual, porque eu faço mais regra de português e não de coisas conceituais assim.
Até a próxima!

Viajar é bom, mas chegar em casa...

terça-feira, 14 de março de 2017

É melhor ainda!
É bom poder respirar ares diferentes, ver pessoas diferentes... Mas nada é melhor do que poder dormir na nossa própria cama depois.
É bom comer sem ter que lavar a louça depois... Mas nada é melhor do que comer uma comida que a gente mesmo fez.
É bom poder se afastar um pouco dos problemas, porém eles só ficam em stand by, mas só esquecer que eles existem um pouco e se despreocupar já ajuda muito.
É bom poder tomar banho de piscina todo dia e também é bom tomar banho no chuveiro com alta pressão e água super gelada de casa. Acabar com o calor que é bom, não importa a forma.
Viagem é uma das melhores coisas que se pode fazer, ainda mais quando a gente precisa tirar um tempo para nós. A gente só se preocupa em qual o próximo que vamos conhecer ou em alguns casos, revistar, pois pode ser a um lugar que você já foi diversas vezes ou tem muito tempo que não vai.
Se afastar um pouco da tecnologia e só curtir o passeio. Desde que, a noite, antes de dormir, eu possa olhar as redes sociais com calma e com velocidade decente.
Não me importo de viajar, eu sei que faz muito bem. A gente precisa dessas coisas. Só que, para mim, não há coisa melhor do que a gente fazer todo o caminho de volta e finalmente abrir a porta da nossa casa e ver a nossa casa, que a gente acaba sentindo saudade durante a viagem.
Não há coisa melhor do que estarmos na nossa própria casa, com as nossas coisas, com a nossa rotina, com as energias renovadas!

Resenha #30: Helter Skelter (Mangá)

sábado, 11 de março de 2017

Olá, pessoal. Sejam bem-vindos a mais uma resenha do blog, a trigésima! E que por razões de bug do blogger, acabei apagando a postagem por conta de um bug do blogger que resolveu duplicar o título de uma postagem futura do blog e eu achando ser um bug de salvamento fui e deletei a mais antiga, só para depois querer mexer na resenha e ver que não estava mais aqui. Já xinguei muito no twitter e estou extremamente fula (para não dizer outra coisa) com o Blogger. Anos nesta indústria e é a primeira vez que me acontece. Ai ai!
Mas, não vou ficar aqui chorando que não vai resolver né? Estou contando o que houve.
Então, este era um mangá que tinha muito tempo que queria ler, desde que assisti a adaptação cinematográfica de 2012, de mesmo nome.
Vamos a sinopse e eu falo sobre!

Sinopse: Ganhador do “Prêmio Cultural Osamu Tezuka” de 2004, Helter Skelter é uma história de volume único da controversa Kyoko Okazaki. Após várias plásticas extensivas e manutenção vigorosa, Lilico se tornou a beleza em pessoa, virando uma modelo, atriz e cantora de enorme sucesso. No entanto, logo seu corpo começa a reagir mal às tantas cirurgias e ela se vê em decadência física. Agora, ela é obrigada a encarar as consequências do que fez e o inevitável fim.


Helter Skelter de Ryoko Okazaki conta a história de Lilico, que é a modelo mais famosa do Japão. Ela sempre aparece nas revistas, em comerciais, programas de TV e até em novelas. Mas, tem um porém, toda a beleza da Lilico é fabricada e falsa, totalmente fruto de cirurgias plásticas e procedimentos estéticos. E ela alterou praticamente seu corpo inteiro para poder se tornar modelo, apenas seus olhos, orelhas, ossos e vagina são realmente seus, de resto tudo foi alterado pelo bisturi. E para isso, contou com a ajuda de sua assessora (e ex-modelo): Mama.
Lilico sempre teve uma vida regada em sexo (com caras ricos, por dinheiro), drogas e bebidas. Ela não era assim uma pessoa muito boa. Destratava alguns dos que trabalhavam com ela, especialmente a Hada, que era a sua ajudante. Gente, Lilico pegando o namorado da Hada é algo assustador, você fica sem reação quando acontece. E a gente vê o amor da vida dela se casar com outra mulher, de forma arranjada, é claro.
O mangá tem nove capítulos e se passa desde o auge da carreira de Lilico até o declínio dela, quando efeitos colaterais por conta das cirurgias começam a parecer, que são várias manchas pelo corpo, como se fosse um hematoma. A modelo entra em desespero e a clínica onde fez as cirurgias lhe oferece um tratamento que pode retardar o aparecimento destas manchas. É o um coquetel de medicamentos que dão ainda mais efeitos colaterais, que praticamente pioram e muito o humor da Lilico. Ela passa mal, vomita, os cabelos caem.
Ela sabia bem que a vida de modelo (e as suas cirurgias) tinha data de validade. Ela sabia bem que uma hora o tempo dela iria acabar e isso se torna mais evidente com a chegada de uma nova modelo: Kozue, que é só uma menina de 15 anos e que passa a pegar os trabalhos que eram da Lilico. E por conta do tratamento, não pode mais ajudar a família financeiramente como antes, pois o dinheiro que ganha, que acaba diminuindo, só acaba cobrindo o valor dos remédios.
A clínica onde Lilico é cliente (falei igual no mangá) está envolvida em uma investigação por conta de diversos casos de suicídio de ex-clientes e também por conta de procedimentos ilegais, onde até algumas pesquisas usam métodos não tão corretos assim.
Uma das cenas mais marcantes deste mangá e quando a Lilico se torna uma lenda, deixando de ser uma figura pública famosa para se tornar uma espécie de deusa para as outras pessoas.  E claro, anos depois, Kozue reencontra a Lilico. (Aka. Melhor cena)
Este mangá é maravilhoso e uma total crítica aos padrões de beleza impostos a nós pela sociedade. O excesso de sacrifícios em prol de uma beleza falsa e que talvez nem dure tanto assim. A forma da qual a mídia impõe estes padrões. E mesmo a criatura mais perfeita, que era a Lilico, não teve uma beleza que durou para sempre, simbolizado pelas manchas.
Além disso, temos uma adaptação japonesa cinematográfica de 2012, com a atriz Erika Sawajiri como a Lilico. E o filme consegue representar e passar muito bem essa história, mesmo com alguns cortes, que sempre tem, e algumas alterações.
Uma pena que o mangá está "incompleto", mas se ele é maravilhoso assim já, imagine se a autora tivesse realmente nos dado uma versão final. A autora sofreu um acidente, foi atropelada, pouco após terminar os esboços e só pode fazer algumas alterações durante a fisioterapia. Porém, ela nunca se recuperou completamente. Ela até desenha até hoje, mas não no mesmo fluxo de antes.
É um mangá que super recomendo a leitura e também o filme. De longe, um dos meus favoritos!


E claro, temos resenha em vídeo também! :3

Espero que tenham gostado desta resenha, mesmo ela sendo refeita por razões de força maior.

Parceria: Autora Adrielii Almeida

terça-feira, 7 de março de 2017
Olá, pessoal!
Hoje, com muita alegria e até honra, anuncio mais uma autora parceria do blog: Adrielli Almeida.
Uma autora que conheci numa das minhas andanças pelo wattpad, onde li a degustação de Feita de Letra e Música e pelo qual me apaixonei de cara, mas nem tive oportunidade de ler ainda. Mas, eM breve, finalmente poderei ler o livro da autora. (E a continuação!) =D
Alias, considero essa moça, um jovem talento nacional!
Vejam mais sobre os livros publicados dela e sobre ela.


Sinopse: Lívia Bonjardim poderia ser uma garota completamente comum, se não tivesse em mãos um blog chamado Believe com milhares de leitores. O problema é que o blog é anônimo: ninguém sabe quem é a dona, muito menos quem é a garota Believe que ajuda centenas de meninas em seus problemas cotidianos. Quando Lívia perde o caderno que contém as informações do blog, a situação vira uma tremenda bola de neve, até que ela se vê diante de uma situação desesperadora: escolher entre o homem que ama ou os seus sonhos. Livro no Skoob / Degustação no Wattpad


Sinopse: Lívia Bonjardim está em apuros.
Uma garota normal como ela, que sempre levou uma vida pacata e tentou não se meter em (muitos) problema, agora está diante de inúmeras situações desesperadoras.
Sua relação com o pai vai de mal a pior.
Seu irmão mais velho, sempre presente, está cada dia mais distante dela.
Sua escola está uma loucura graças a formatura eminente e os inúmeros preparativos que estão sendo feitos.
Sua mãe divorciada e o namorado novo estão cada vez mais sérios...
E o pior de todos os problemas: Lívia fez algo do qual se arrepende amargamente, mas não tem como voltar atrás e mudar sua decisão – além disso, nem todas as pessoas sabem a hora de esquecer o passado e seguir em frente.
Com boas doses de amizade, romance, música e sonhos, Lívia vai aprender que a vida se torna incrivelmente mais fácil quando dançamos conforme a melodia.                                                  
Livro no Skoob / Degustação no Wattpad
A autora tem outros projetos que estão disponíveis para leitura no wattpad, por exemplo: O Irmão do Noivo e Tempestade.

Sobre a autora: Adrielli Almeida é estudante, aquariana, gremista e curitibana de nascimento e de coração. Seus livros vivem espalhados pela casa. Ela tem a péssima mania de anotar ideias pelo braço e é completamente apaixonada por literatura nacional. Quando não está lendo ou escrevendo, você pode encontrá-la assistindo as séries de Matt Groening, garimpando sebos e andando à cavalo. Adrielli não toca piano nem um blog anônimo famoso, mas não vive sem música e é viciada nas redes sociais. Página do Facebook / Perfil no Wattpad

Adri, seja bem-vinda ao blog. E que essa parceria seja boa para todos! Será uma honra ler suas obras mais a fundo. Quero conhecer mais seu lado autora, o pessoal até conheço um pouco né? =D

Jealousy Incarnate

sábado, 4 de março de 2017

Bora falar de mais dorama aqui no blog? Mas é claro que sim.
E hoje será sobre Jealousy Incarnate, um dorama que tornou a simples previsão do tempo de um jornal algo completamente para mim. Tem uns meses que já terminei, mas o dorama ainda tá no meu coração, ainda mais o Jung Wong Oppa da vida! E claro, RAK Oppa Ajusshi que você respeita!
O dorama conta a história de Pyo Na Ri, que é apenas uma garota do tempo na grande emissora de TV SBC. Já tem mais de três anos que ela está na função, onde ela aparece no ar durante apenas 60 segundos. Por conta disso, é um emprego de meio período. Ficou como garota do tempo porque não conseguiu passar no teste para comentarista, que pode-se dizer que é uma 2º âncora. Mas, o sonho de ser comentarista nunca ficou esquecido, só estava esperando outra oportunidade.
Ela foi apaixonada por um repórter, Lee Hwa Shin, por maior parte do tempo que está na empresa. E o cara está trabalhando como correspondente na Tailândia.
O dorama começa mostrando uma viagem da Pyo Na Ri a Tailândia para a gravação de um comercial. No avião, ela conhece o Jung Wong maravilhoso, que é também melhor amigo do Lee. E daí começa a triângulo amoroso, porque o Jung se interessa logo a primeira vista pela mocinha. E logo, o Hwa Shin, descobre que sente algo pela Pyo Na Ri.
Admito que torci muito pelo meu oppa, mas eu sabia que eles não iam terminar juntos. Restou torcer para o RAK pegar alguém. hahah =D (Ele podia me pegar que tava tudo certo.)
O dorama gira no torno da emissora, da briga das garotas do tempo, das comentaristas e dos âncoras para pegar o horário de mais prestígio da TV: o jornal das 21h, horário nobre.
O núcleo secundário do dorama é maravilhoso. A duas repórteres rivais brigando na empresa e pelo oppa ajusshi. E a cena que ele escolheu foi uma das melhores do drama.
Temos o núcleo adolescente, que também tem seu triângulo amoroso. Tem a moça da loja da conveniência. Tem o núcleo todo da emissora.
Esse dorama me rendeu muita tensão, muitas risadas e muito amor.
Tem tudo o que um bom dorameiro gosta: Romance, drama, tretas, oppas.
Quando assisti ao último episódio, eu não sabia o que fazia da minha vida. Sério!
Recomendo e muito! Tem no Drama Fever.

Tag: Dorama na real

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Pessoas que me inspiram: Asami Imai

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Mais um post dessa sessão que amo fazer. haha Mais uma cantora/seiyuu, porque sim. É ela: Asami Imai.
Eu a conheci graças aos Seiyuu World Brasil, que é o meu blog/site direcionado totalmente ao dubladores japoneses e seus trabalhos tanto nos animes quanto na carreira musical.
Sempre naquelas minhas pesquisas sobre lançamentos de seiyuus, os que já conhecia e para encontrar novos, foi que a achei. E foi amor a primeira vista! Talvez seja porque ela resgata um estilo que a Minorin deu uma abandonada: o up-beat.
Eu tava carente do estilo só, só não conhecia pelo nome mesmo. haha
Sinceramente, nunca vi a Asami em nenhum personagem de anime. Só conheço a carreira musical dela mesmo. E olha, a mulher não canta pouco! haha
E atualmente ela é sim uma das minhas seiyuus favoritas, que adoro pegar uma música ou outra da playlist para escutar. Adoro o pop dela, de verdade!
Alias, ela fazia dupla com uma outra seiyuu que amo muito, Eri Kitamura. E como gosto das músicas delas juntas! Sério!
E essa mulher me inspira tanto, que eu dei uma personagem minha para ela. Ela é a minha Kazuko, de O Diário da Escrava Amada, perdida no mundo. A representação física da Kazuko é ela! (Até a voz também haha)
E quando lembrar da personagem, escuto as músicas dela também. (E ela tem o nome de uma outra personagem. haha) Para lembrar do livro, escuto Limited Love, música dela que escolhi para ser tema dessa história. Os clipes dela foram usados no booktrailer também.
É por isso que ela me inspira. Ela me inspira a continuar esse livro maravilhoso, só com as músicas dela.
Asami, sua linda!

Kyon #18: Minhas experiências no Nyah Fanfiction

sábado, 18 de fevereiro de 2017
Olá! Kyon aqui. =D
Como vão? Eu estou bem, sempre pensando em alguma postagem para fazer aqui para vocês.
E cá estou hoje para falar sobre minhas poucas e breves experiências no Nyah Fanfiction, que é um dos mais famosos sites de fanfic que existem e se bobear é um dos mais antigos também.
Eu fiz meu cadastro lá em 2014 e só publiquei uma história até então, que inclusive já falei sobre no blog: Mate-me se for capaz. (Post sobre aqui!)
Então, usando essa história como base, contarei o que me aconteceu por lá. (Calma, não vou xingar ninguém.)
Primeiro de tudo, fiquem com meu perfil lá no Nyah, com descrição e tal. (E uma foto do melhor shipp yaoi de Suzumiya Haruhi que você respeita.)

Eu postei os dez capítulos entre 2014 e 2015 e ainda não terminei a história. Os leitores devem estar querendo me matar, mas prometo que vou terminar, o mais breve possível.
Enfim, tem uma recomendação da Anelise, como podem ver na foto e tem essa capa que ela fez para mim. Ela não é a melhor capista, admito, mas dá para o gasto. haha
E olha, só um total de 25 em dez capítulos. Estamos no lucro! A média é de uns dois por capítulo, o que para alguém que nunca postou não é ruim.
Se fosse fazer uma avaliação dos comentários recebidos, são comentários bem pertinentes. As pesoas elogiando, surtando, ansiosas pelo próximo capítulos. Coisas normais e super legais de se ler!

E vamos aos contadores... Claro, os contadores do Nyah são muito, mas muito bugados. Eles só contam a visualização no dia seguinte. E teve uma época que ajeitaram os contadores e as visitas foram recalculadas. Até estava nessa época, mas nem fui tão afetado.
Vamos lá... Por ordem... O primeiro são os comentários; depois vem a quantidade de leitores (os que marcaram "acompanhar a história"), o terceiro é "leram até o final", como a história não terminou ainda; os favoritos; as recomendações; e as visualizações.

Então, quais foram minhas experiências no Nyah? Pelo menos essas primeiras.
Fui bem recepcionado com minha história, com leitores legais e que comentaram no decorrer dos capítulos, ou seja, eles realmente estavam acompanhando. (E isso me dá mais peso na consciência ainda de ter parado de escrever. ahah)
Não tenho muita coisa a reclamar, pois tenho pouco tempo de uso do site, ativamente mesmo.
Foi tudo muito positivo e eu ficava sempre animado de continuar, isso é bom.
Enfim, o Nyah é um site bom para quem escreve fanfics e está começando, assim como eu. Não estou mais começando assim. haha
Mas, foi o site mais recomendado pela Anelise para usar. Então segui a recomendação dela e foi isso.
Prometo realmente terminar a história e postar também o conto que falei por aqui no blog também.
Foi isso por hoje! Até a próxima!
Beijos do Kyon!