Kyon #36: Entrevista sobre A Filha do Conselho

sábado, 21 de abril de 2018
Olá, pessoal, como vão?
Estou de volta trazendo mais um dos post antigos do Blog do Kyon, seguindo a linha das entrevistas.
Dessa vez, pela ordem é A Filha do Conselho.
A postagem foi feito originalmente em Setembro de 2012, em virtude de ser próximo do aniversário do livro.
Confiram!

Entrevista com Anelise - Sobre A Filha do Conselho

1- O que te inspirou a criar "A filha do conselho"?
Eu sei que muito cômico, mas foi apenas uma expressão: Madevile, o reino medieval. Quem não se lembra da primeira edição da Turma da Mônica Jovem? Foi por causa daquele próximo capítulo.
Mas nem venham que é imitação ou plágio, a partir disso que eu criei o resto. Como sempre!

2- Por que esse é o Título?
O título já resume como a personagem principal é conhecida, como A filha do Conselho. No prólogo do livro, eu explico toda a situação política do lugar. Era um reino normal, com a família real e a corte, mas alguns fizeram uma revolução e tomaram o poder, formando um conselho. As famílias da corte não deixaram de lutar, mas a família de Caterine foi totalmente dizimada, só sobrou ela que era um bebê. E ela foi adotada e criada pelo conselho.

3- Pode nos explicar melhor a história?
O início já contei. (risos) Passam-se alguns anos e Caterine se torna uma guerreira-viajante, uma pessoa que sai em busca de tesouros, basicamente.
Um dia ela parte em mais de uma das missões, mas com seu primeiro companheiro de viagem: Will.
E assim como o conselho fez, existem aqueles que querem o antigo poder de voltar, Will faz parte deles.
Will e Caterine partem em busca da Espada do Poder Eterno, quem tiver essa espada pode mudar a situação.

4- Verdade que a história é escrita toda em folha solta?
Verdade! Como não tinha um caderno a mão no dia, ficou em folha solta até o final e está assim. Porém, muito bem guardado. E nem sei como não baguncei aqui. Acho que já era tão bagunça e em bagunça consigo me organizar melhor.
Me lembro de quando escrevia e pegava os pedacinhos de folha que ficavam presas na espiral do caderno e acabavam sobrando quando arrancava. Eu pegava elas e colocava na boca, depois cuspia na parede. (risos) Eu sou doente!

5- O final: Você já o imaginava assim ou mudou alguma coisa?
Eu geralmente tenho os finais bem definidos. O final muito difícil de trocar. Eu ia pôr uma situação diferente no meio do livro: Will iria sumir por um ano, sem dar notícia. Mas ele acabou voltando, ficou um tempo e depois sumiu. Sinceramente, acho que foi bom. Deu mais drama ao depois da Caterine e mais emoção no reencontro dos dois.

6- E o lugar onde se passa? É algum lugar real?
Em algum lugar da Europa provavelmente, Ingleterra ou França, não é um lugar definido. Quem sabe não é em Madevile? (risos)

7- E por que a ordem dos desafios para chegar a caverna são o pântano, as areias movediças e a floresta dos sonhos?
Porque eu quis assim. Eu inventei assim e ficou assim. Não tem uma explicação lógica, é coisa de escritor. Ás vezes nem nós sabemos o porquê de algumas coisas nas histórias. Esse caso dos desafios é uma delas.

8- E os nomes? Por que são esses nomes?
Os nomes em A filha do Conselho são meio aleatórios, pelo menos alguns. Aqueles nomes como eu falo: Me vem um nome na cabeça. O primeiro que vem eu coloco.
Até expliquei isso em um vídeo dos Contos Anê.
Will, eu só escolhi no nome dele na metade do livro e pouco depois que ele diz seu nome. Tente imaginar o Will falando "Eu sou nome"? Seria engraçado!
Julie é mais ou menos aleatório. Será o nome da minha futura filha. E ela também uma personagem que surgiu de repente no livro, foi ela quem correspondeu o casal em uma parte do livro.
Outro que tem um bom motivo, se que isso pode ser considerado um BOM MOTIVO. Me refiro ao Eric, escolhi pelo personagem ter olhos marcantes e a pessoa que conheci que tinha essa nome também tinha essa característica.
O resto foi bem no aleatório mesmo. Por alguma sugestão ou por conta de algo que li. Como sabem, sou ótima com escolha de nomes.

9- Haverá alguma continuação? Pelo que sei, o livro acabou bem acabado.
Pois é! O livro terminou com um final definitivo. Não poderia haver uma continuação propriamente dita.
Seria equivalente a um OVA, como eu costumo dizer. Pode ser a história da próxima geração, que seria mais ou menos uma continuação, acho que chamaria de O neto do conselho. (risos)
E o outro de uma guerra que só é citada no final do livro. Isto seria um OVA.

10- Alguém se meteu nessa história?
Não. Ninguém me influenciou e nem na história. Só me sugeriram nomes quando eu pedi. E eu costumo fazer isso bastante.
Sem contar também que eu peço bastante a opinião dos outros. Eu sou muito ligada com esse tipo de coisa.

11- Acha que A filha do Conselho vai ser bem recebido?
Claro que sim! É uma história medieval que tem lutas, perigos e castelos.
Eu acredito na Espada do Poder Eterno e sei que decidirei o destino do reino com puro coração e sabedoria.
E se mesma não acreditar nisso, quem mais vai acreditar?

Espero que tenham gostado! Até a próxima!
Beijos do Kyon!

Tag: Seiyuus (Vídeo) (Seiyuu Tag)

terça-feira, 17 de abril de 2018
Olá, pessoal! 
Hoje estou trazendo mais um tag em vídeo aqui no blog. Em virtude do 6º aniversário do Seiyuu World Brasil, que é um blog voltado para eles e que eu administro junto com uma equipe maravilhosa.
É uma Tag que eu sempre tive vontade de fazer, então aproveitei essa chance agora.
Então, este vídeo está aqui e no Seiyuu World Brasil.
Abaixo o texto da tag tanto em português quanto em inglês.
Beijos e aproveitem o vídeo!


Tag: Seiyuus
1- Seiyuu Feminina favorita
2- Seiyuu Masculino favorito
3- Como descobriu o mundo seiyuu?
4- Já assistiu animes por causa de seiyuus?
5- Gosta de chara song? Quais suas favoritas.
6- Quais seiyuus você acha que deixaram seu legado?
7- Quais outros seiyuus você gosta?
8- Conhece seiyuu units? Quais suas favoritas?
9- Conhece seiyuu event? Já viu algum? Qual você mais gosta?
10- E eventos de anisong? Qual seu favorito?
11- Quais seiyuus você sempre sonhou ver trabalhando juntos?
12- Qual o melhor casal seiyuu?
13- Seiyuus são conhecidos pelos memes. Qual seu favorito?
14- Você acha que o fandom é focado nos seiyuus femininos ou masculinos?
15- O que você diria a que não conhece seiyuus.

Seiyuu Tag
1- Favorite female seiyuu.
2- Favorite male seiyuu.
3- How you discover the seiyuu world?
4- Do you watch any anime 'cause of seiyuus?
5- Do you like chara song? Which is your favorite?
6- Which seiyuu do you think that "made your legacy"?
7- Other seiyuus do you like.
8- Do you know seiyuu units? Which is your favorite?
9- Do you know seiyuu event? Which do you like?
10- Anisong events? Which is your favorite?
11- Which seiyuus you always dream working together?
12- Best Seiyuu Couple is...
13- Seiyuu are knowed by the memes. Which is your favorite?
14- Do you think the seiyuu fandom is focused on female or male seiyuus?
15- What you say to anyone who don't know about the seiyuus.

Resenha #39: O Príncipe de Wonderland 1 e 2

sábado, 14 de abril de 2018

Olá, pessoal! Como vão?
Cá estou eu, trazendo mais uma resenha para o blog. Dessa vez de um livro - na verdade dois, e poderia ser chamado de Zine -: O Príncipe de Wonderland.
É uma obra nacional, escrita pela Nick Narukame e ilustrado pela  July Valentine.
E olha, tem um bom tempo que eu comprei. Comprei no última Anime Family que fui, deve ter uns dois anos já!
É um título BL - Boy's Love - que é algo que amo e muito. Tem direito a tudo que uma Fujoshi como eu gosta!
Sim, vou misturar e falar logo dos dois volumes, eles são tão curtinhos que acho válido falar de ambos num só.
Vou deixar apenas a sinopse do primeiro volume e depois, a resenha!

Sinopse: Quem não conhece a história de Alice? Aquela menininha que vai parar em um mundo fantástico e aloprado após cair em um buraco? O que poucos sabem é que antes de toda a loucura havia um reino normal, governado por uma altiva rainha ruiva cuja única obsessão era o bem de seu único filho, o que causara a ruína de um reino outrora tão próspero? Bem... isso foi há muito, muito tempo...
E é assim com essa curtíssima sinopse que temos os primeiros vislumbres de "O Príncipe de Wonderland", um conto Boy's Love sobre o amor do Príncipe Érick e seu fiel Cavalariço George e como esse amor transformou o País das Maravilhas para sempre. Livro 1 no Skoob | Livro 2 no Skoob

O Príncipe de Wonderland conta a história de Érick, que é filho da Rainha de Copas. Ele é um menino esguio, ruivo e de olhos verdes, e sempre foi superprotegido pela mãe, por conta de ter acontecido uma tragédia com seu pai e ele faleceu pouco depois do menino nascer.
Érick foi criado e crescera junto a um dos serviçais do palácio - que era seu Amigo de Infância: George, o loiro. (Detalhe importante porque a pessoa aqui ama semes loiros, a começar por Iason Mink. Parei!)
Anos mais tarde, George se torna um cavalariço e guarda pessoal de Érick. O jovem príncipe, já com idade, precisa desposar um jovem. Sua mãe, então, acaba descobrindo sobre uma Princesa que estava trancada num castelo e este era protegida por um dragão.
Então, ele treina com George e a gente, como fujoshi, sabe o que acontece entre esses dois amigos de infância. Calma, não é tudo isso até essa altura, é só nosso seme que sente alguma coisa e sabe disso.
Após o treinamento, eles partem juntos para a missão de derrotar o dragão. George sabia bem que Érick não iria conseguir derrotar o dragão sozinho e prometeu a si mesmo que o protegeria.
Já no castelo, eles encontram o dragão e George se sacrifica para que Érick posso fugir. Mas, ele é teimoso e acaba conseguindo derrotar o dragão, pois é tomado por uma vontade e uma força só por ter visto o amigo num estado de perigo e morte eminente.
Ao derrotar o dragão, Érick encontra a Princesa e pede que ela cure George e assim ela faz.
Quando George desperta, acaba acontecendo o que agente fujoshi quer e não preciso nem dizer o quê né? haha E claro que os dois revelam o que sentem um pelo outro.
Só que a Princesa surge com um clichê super chato de yaoi, de que a mulher só tá ali para atrapalhar o casal protagonista, se não em outros casos, o núcleo da história inteira.
Érick, George e a Princesa rumam ao Palácio do reino dela, para mostrar o grande feito. Só que é claro que nada acaba bem, porque a princesa soube muito bem do que aconteceu na noite antes deles partirem e acusa os dois de coisas impuras - considerem que é uma época quase medieval. E os dois acabam presos e estão perto de serem executados.
As histórias são impressas em formato de zine, bem simples, mas que com certeza tem um carinho especial tanto da autora quanto da desenhista. A história, mesmo que num clima de fanfic, é muito bem construída e bem feita. Os personagens são cativantes! A gente torce mesmo pelo George e pelo Érick. A gente sempre quer que acabe tudo bem, ainda mais em yaoi.
Por ser o segundo volume de três, ele terminou num clímax e só saberei o final mesmo quando adquirir  o terceiro e último volume.
Mas, fora estes detalhes, que não são defeitos, é uma boa pedida para uma cura de ressaca literária, para alguém que já curte esse gênero.
Adorei ainda mais por ser ambientado no universo de Alice no País das Maravilhas, mas sendo bem, mas bem antes da Alice pensar em pisar naquele lugar.

Música #08: FTISLAND

terça-feira, 10 de abril de 2018

Hey, Minna-san! 
Mais uma postagem de música por aqui no blog. Dessa vez da banda coreana: FTISLAND.
Eu tenho sim meus pézinhos lá na K-music, mas acho que eu sou mais fã de K-rock do que K-pop.
Enfim, a banda é formada por cinco membros: Choi Jong-hoon (guitarra e teclado), Lee Hongki (vocal principal), Lee Jae-jin (baixo e vocais), Song Seung-hyun (guitarra e vocais) e Choi Min-hwan (bateria), e também tem o ex-membro Oh Won Bin. A banda surgiu em 2007, com o álbum Cheerfull Sensibility, que foi o sexto álbum mais vendido daquele ano. Sua primeira música - LoveSick -ficou por oito semanas como a primeira das paradas.
Eu conheci a banda através de um compilado de vídeos com músicas de J-rock e K-rock, onde eu ouvi Take me Now.

Eu estou nessa onda de descobrir banda novas, de ficar vendo recomendação no youtube, no spotfiy. Estou realmente ampliando meus horizontes musicais.
E como muitos grupos coreanos, eles tem sua carreira no Japão, eles sempre gostam de ir pro mercado de lá. E acreditem, o mercado musical japonês é muito importante.
Gosto das músicas deles em coreano, mas sou apaixonada pelas músicas que eles fazem em Nihongo. Sua carreira musical no Japão começou em 2008 (e no cenário indie), com o mini-álbum Prologue of FTISLAND -Soyogi-.



Seus últimos foram o álbum coreano Where's the Truth? em 2016. E o álbum japonês Shadows em 2017.
Alias, o vocalista, Lee Hongki, é meu Makoto coreano. (Makoto para quem não sabe é o personagem do meu livro: O Diário da Escrava Amada.)
E já conhecia do Lee Jae-jin, pois ele participa de um dorama que já falei por aqui: My Only Love Song.

A banda segue um estilo pop-rock, misturando um pouco com baladas românticas. É algo que eu curto bastante! Recomendo vocês conhecerem. Vocês podem ver outros clipes deles aqui e aqui.
Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais a banda.
Até a próxima!

Dicas para escrever: O que fazer e o que não fazer para divulgar seu trabalho

sábado, 7 de abril de 2018
Olá, pessoal!
Nossa, tem quanto tempo que eu não faço postagem desse tipo né?
É um dos quadros do blog que mais gosto, pena que não faço de vez em nunca.
Acho que a escrita é algo sempre importante a se falar. E sim, esta postagem poderia muito bem ser um "Precisamos Falar Sobre...", mas decidi colocar assim para ajudar outros autores para que eles não cometam os erros que já vi muitos colegas autores cometendo.
Esse tópico, apesar de ser relacionado a escrita em si, sempre foi para mim um painel de dicas para autores.
Enfim, o que um autor pode e não pode fazer para divulgar seu trabalho, especialmente nas redes sociais. É sobre isso que falarei hoje.

O que fazer

É muito difícil para um autor - tanto iniciante, até aos mais experientes - divulgar o seu trabalho. E mesmo um trabalho de formiguinha e que a gente tem que ter mais cara de pau do que qualquer coisa.
Tem que botar mesmo a cara a tapa e sim, lamento informar, mas também vão bater nela. Mas, tá tudo bem! A única que não se pode ter é vergonha. Pense que está fazendo algo honesto, por você, pela sua carreira, pelo seus livros.
Enfim, como divulgar sua história (caso publiquei em sites como o Nyah ou Wattpad) / livro de maneira legal?

Compartilhar no seu perfil do facebook: Sempre compartilhar sobre seu livro no seu próprio perfil é uma boa, de preferência em modo público, ai mesmo quem não for seu amigo poderá ver;
Divulgar em grupos voltados para este tema: Existem infinitos grupos para a divulgação de livros, no facebook, no instagram, no twitter. Algumas aceitam as sugestões e fazem as divulgações diariamente;
Criar redes sociais focadas apenas no seu trabalho como escritor: É uma boa criar um espaço exclusivo para você sempre postar sobre suas histórias, um local onde as pessoas possam sempre encontrar as informações sobre seus livros e você de maneira fácil - Crie com um nome legal. Eu tenho a minha: Contos Anê;
Comentar sobre seus trabalhos se alguém perguntar ou comentar sobre o assunto: Se alguém falar sobre literatura, sobre qualquer coisa relacionada, acrescente sempre sua experiência, mesmo que ela seja a mínima possível, ainda é sua. Fiz isso já durante uma live da Twitch - quando a pessoa comentou que queria trabalhar com isso e eu disse que era difícil, mas gratificante mesmo assim e ela quis saber do meu livro - e deu certo. Isso pode tanto ser feito pessoalmente quanto online;
Criar um grupo para interagir com seu leitores: Um grupinho fechado, onde você e seus poucos leitores podem interagir e comentar sobre suas histórias. Acredite, é maravilhoso ver o quanto - mesmo que sejam poucas - as pessoas podem nos incentivar e nos apoiar.
Tenha algum cartão de visita/marca-página: Sempre bom ter material impresso para entregar durante o boca a boca, dá até mais credibilidade. Pode ser um cartão de visita feito a mão, um marca-página feito a mão, se não tiver dinheiro para fazer;
Use e abuse dos memes, das fotos e dos quotes em banners divulgações: Fazer banners é sempre uma boa, especialmente nessa bagunça e briga por atenção que é qualquer rede social.
Seja criativo: Crie algo original para divulgar seus livros. Faça vídeos ou vá de avental na Bienal do Rio, como eu fiz.

O que não fazer

Eis aqui o que muitos autores fazem, pensando em divulgar e até ajudar seu livro, mas, eles acabam virando apenas pessoa chatas e ficam com a própria imagem manchada. Lembrando que são dicas, se você acha que o que está listado aqui não tem problema e quer fazer, ai é com você. Eu não gosto quando recebo alguma divulgação assim, então, se quiser fazer, por sua conta e risco.

Compartilhar publicação no seu facebook e marcar xx pessoas: Acredite, as pessoas não gostam de ninguém que marca várias pessoas aleatórias numa publicação a não ser que ela seja de algum evento. Se for divulgação, eu fico possessa. E pode ter certeza, vão ignorar lindamente.
Comentar o link do seu livro em publicação alheia: Ninguém merece estar falando sobre gatinhos e vem alguém e fala: Capítulo novo do meu livro, vem ler. (link) Essa dica também é válida para postagens nos grupos de escritos e seu livro não encaixa no gênero que alguma pessoa pediu recomendação;
Floodar em diversos grupos diferentes a mesma divulgação do livro: Nada contra divulgar em vários grupos, só não o faça tudo de uma vez. Uns três grupos numa hora, mais três na outra. Esses grupos costumam ter as mesmas pessoas e elas podem sentir meio que um desespero seu;
Divulgar seu link no chat ou nas mensagens alheias: Ninguém gosta de ficar recebendo link, apenas o link. Se você quiser divulgar a história pelo chat, faça um convite legal, com um textinho convidando, ai a pessoa pode até acabar lendo a sua história.
Evite reclamar que você não tem leitores/vendas: Pode até ser na brincadeira, de vez em quando. Mas, não faça isso, pode acabar manchando você, todos se lembrarão de você como o autor chorão.

Enfim, acho que é isso. Espero que tenham gostado!
Lembrem-se que ser escritor além de escrever, também tem a parte de divulgar.
Beijos!

Assistindo, Lendo, Etc... #8: Março 2018

terça-feira, 3 de abril de 2018

Halo, pipous!
Mais um mês se iniciando e com ele mais um "Assistindo, Lendo, Etc..." para eu atualizar vocês das minhas séries, filmes, livros e até músicas agora. Não dá para falar muita coisa, senão a postagem fica imensa.

Começando pelos filmes, que foram Match Point, que eu fiquei revoltada e ao mesmo tempo entendi perfeitamente o final. Ela e os Caras, daqueles filmes adolescentes bem leves e legais de assistir. E A Outra, que é um filme que eu gosto bastante e fiquei com vontade de ver de novo e ter raiva de todos os reis da história, porque essa história é real mesmo. (Machismo era foda!)

Indo para as séries...
Saiu a segunda temporada de Santa Clarita Diet. A série fica melhor a cada episódio. Amo mesmo esse nonsense e esse gore, só não assisto comendo por razões de querer evitar a fadiga, ou melhor o enjoo. Estou no episódio 8 da 2º temporada. (Quase acabando!)

Uma outra série bem legal que eu achei sem querer na Netflix foi The New Normal. Essa série nada mais é do que um casal gay que quer ter um filho e contrata uma barriga de aluguel, mas a moça está fazendo isso para dar uma vida melhor para si e para a sua filha. A série é cheia de personagens divertidos e outros que são declaradamente homofóbicos e racistas, o melhor exemplo é a vó da moça que é barriga de aluguel.
A série levanta várias questões de uma maneira bem leve e divertida e que sim, nos colocam para pensar. Estou no episódio 6 da 1º temporada.

Indo para o único que estou assistindo que é Violet Evergarden. (Preciso ainda terminar Yuri on Ice!)
Não sei porque eu enrolei tanto para ver esta obra prima. Eu me apaixonei nos primeiros cinco minutos e é certo que ficarei triste quando acabar.
Uma pena que esse anime não é tipo Katanagatari que tem episódios de um hora.
Nem preciso comentar que eu sempre tenho um mini troço quando começa a tocar o encerramento, por razões de Minha dubladora favorita: Minorin.
Estou no episódio 8 ainda. Esta semana sai o 13º e último episódio.

Falando um pouco dos livros...
Estou lendo dois nacionais. Um é um zine e yaoi: O Princípe de Wonderland. Tem anos que eu comprei e só estou lendo agora. Em breve teremos resenha dele no blog.
O outro é Passagem para a Escuridão do Danilo Sarcinelli, que conheci lá na bienal. Estou no comecinho, mas estou adorando.

E temos conto novo este mês. Novamente para o Café com Letra, um grupo de escrita que gosto muito e sou moderadora agora. Enfim, o tema do mês foi Chuva. E como boa Haruhísta que sou, o nome desse conto não podia ser outro. Terminei aos 45 do segundo tempo, mais saiu. O nome é: Algum dia... Na Chuva.



Sinopse: Um final de tarde chuvoso. Um guarda-chuva dividido por breve caminho. Um história que começa em algum dia... Na chuva. Nyah Fanfiction | Wattpad 

Bem, pessoal, é isso que vi, li e escrevi no mês de Março.
E vocês? O que estão lendo, assistindo ou escrevendo? Digam ai em baixo!
Até a próxima!

Reagindo ao primeiro capítulo de Mago Belo e o mundo da magia (Vídeo)

sábado, 31 de março de 2018
Olá, pessoal!
Trazendo para vocês a segunda parte do vídeo de terça-feira. Dessa vez reagindo ao primeiro capítulo do meu segundo livro: Mago Belo e o mundo da magia. Que bem, eu sei bem que eu preciso mudar este nome, mas eu sempre o chamarei assim. É automático! haha
Como os dois vídeos juntos ia ficar algo muito longo - e meu editor não aguentou renderizar direito - resolvi dividir em duas partes e acho que ficou bem melhor assim.
Boa parte deste primeiro capitulo que eu reajo foi escrito pelo meu irmão e só depois que eu peguei o livro e continuei. Por isso, acho que tem umas coisas mais bestas dos que As Super Agentes.
Confiram!