Resenha #12: All You Need Is Kill

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mais um resenha aqui no blog! :3
E de mais um mangá dessa vez, porque eu não consigo viver sem ler mangá, ainda mais se ele for curtinho.
E este mangá ganhou uma adaptação cinematográfica: Edge of tomorrow, ou em nossa língua-mãe, No Limite do Amanhã. Com direito a Tom Cruise e Emily Blunt.
Sim, All You Need Is Kill.
Depois da sinopse, eu falo sobre.

Sinopse: A trama mostra o soldado inexperiente Keiji, que morre em sua primeira investida em campo de batalha contra alienígenas que invadiram a terra, mas acaba acordando logo em seguida na manhã anterior a esse mesmo primeiro ataque. Agora ele terá que entender o que aconteceu e, ao mesmo tempo, ajudar as forças da Terra a vencer os inimigos do planeta.

Na trama, temos Keiji Kiriya que é um mero soldado da frente japonesa de batalha contra os mimetizadores, que são os tais aliens que a sinopse cita.
A história começa na véspera da sua primeira batalha, os eventos ocorrem normalmente até o dia seguinte, quando Keiji morre. Mas ai, o que acontece? Ele acorda de novo em sua cama.
Meio sem entender, ele começa a prestar atenção e vê todos os eventos se repetem da mesma maneira que "ontem". Keiji é um protagonista inteligente, ele precisa passar pelo loop de tempo poucas vezes, acho que foram só 2 ou 3, para perceber que estava em um e também o que deveria fazer para se aproveitar dele.
Mas o que fez Kiriya entrar em um loop temporal? Ele, lá no "dia original", deu uma sorte tremenda de ter matado um mimetizador servidor, que faz com que os loops ocorram e são uma espécie de backup. Keiji acaba virando mais uma antena dessa rede.
É meio complicado de entender, é só explicado mais lá pra frente.
Na história também temos Rita Vrataski, que é a maior guerreira da Terra nessa guerra. Ela também sofreu uma série de loops temporais, que acabaram detonando o cérebro dela.
Ela é a inspiração de Keiji durante os loops. Vendo como ela faz que ele também desenvolve as suas técnicas contra os mimetizadores.
Só nos últimos loops que Keiji interage com Rita e eles juntos tentam descobrir uma maneira de quebrar esse arma dos mimetizadores, que é a volta no tempo, assim eles já sabem como o inimigo se comportará e usam isso como vantagem.
Destaque para como o Keiji começa e termina na história. Começa só como um soldadinho comum, mas virá também um grande lutador ao lado da Rita. Ele até fugiu algumas vezes e ficou muito entediado (imagine viver o mesmo dia umas 300 vezes?) em outras, mas se empenhou.
Não vou contar o final, porque senão vai perder a graça. Tentei dar o mínimo de spoiler possível.
E podem assistir ao No Limite do Amanhã, o filme é muito bom. Capturou bem a essência do mangá! Só que o final não é o mesmo não viu?
Mais um mangá curto e ótimo para a minha coleção. :3

2 comentários :

gih disse...

Oiii Ane, tudo bem??? hahah, adorei a sua resenha e já estou procurando o filme para assistir ;)
Gosto desse tema. Lembro de um episódio de Supernatural, hahhaha
Ahhh, falando em mangá, lembrei de você na feira do livro. Haviam muitos e por um ótimo preço. Eu quase comprei, mas o dinheiro estava curto e havia outros livros que eu precisava adquirir, heheh
Mas gostei bastante deste também =D
Um beijão
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

Francine Porfirio disse...

OH, ESTOU CHOCADA!
Assisti ao filme e adorei! Mas não sabia que se tratava de uma adaptação… e de um mangá! Que demais. Eu ainda sonho com várias adaptações de mangás que adoro, mas confesso que nenhum deles envolve tanta ação. Sim, flor, sou o tipo romântico que só lê shoujo… *u* Enfim, o mangá da minha vida na atualidade é Akatsuki no Yona. Seria incríveeeeeel se o adaptassem! O anime é lindo também. Você acompanhou?
Gostei de saber que o final do filme não é o mesmo que o do mangá… Vou dar uma bisbilhotada.

Beijos!
http://www.myqueenside.blogspot.com