Reflexão de um momento deprê!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

(Eu também tenho meus momentos meio para baixo, então sempre acabo refletindo um bocado demais e resolvi compartilhar com vocês.)

Estou eu, como na maioria dos meus dias, olhando a timeline do facebook, isso só acontece quando não estou reblogando nada no tumblr, e sempre acabo vendo aquelas publicações cujas pessoas são "amadas" e muito "curtidas".
Ai me bate aquela invejinha alheia (não sou santa), porque se tem uma coisa que acontece comigo na internet (e até na vida) é ser meio "no vácuo", meio "de lado", invisível.
E sinceramente, isso me chateia muito. Justamente porque você acaba se sentindo mal amado. E olha, isso me ocorre numa frequência um bocado grande.
Obviamente, não gosto de ficar botando a minha vida em detalhes por ai na internet. Vide que eu ainda consigo sair e fazer coisas sem nem ao menos ter a necessidade de dizer que farei ou postar foto.
Mas acho que tem coisas que são legais de compartilhar com os outros, por exemplo, o mini evento que fiz aqui em casa para comemorar a publicação do meu primeiro conto. E bem, convenhamos que eu tenho mais de 400 amigos no facebook. (Só número mesmo!) Menos de 20 pessoas curtiram a publicação das fotos.
E no meu aniversário? Se umas 60 pessoas me desejaram parabéns, acho que foi muito.
É sério, a internet é uma ilusão se for levar em conta as curtidas das vida.
Posso contar nos dedos quantas pessoas realmente gostam de mim na internet e até fora dela. (Isso inclui vocês aqui do blog.)
Só que é bem fácil para eu ver como as minhas coisas não chamam a atenção de ninguém. Nenhum dos meus blogs jamais foi muito visitado, as histórias que posto ficam meio a ver moscas e a timeline do facebook. Grandes coisa ter mais 1.500 followers no tumblr quando nenhum dele fala com você!
E tudo isso acumulado na minha mente começa a me dar o sentimento de inutilidade. Tipo, o que eu estou fazendo aqui? Ninguém me vê e ninguém se importa comigo. (Ai deprê dos infernos.)
Isso martela na minha cabeça por um tempo, só que ai eu percebo que mesmo isso me chateando por apenas algumas momentos, eles não são suficientes para me colocar para baixo.
Acho que o pouco que faço por mim mesma já é o suficiente! E isso o que importa! E sabe, eu curto isso de "estar sozinha". haha
Bem que eu gostaria que as pessoas curtissem o que eu faço, porque eu sempre tento falar alto interessante. Mas o que se pode fazer né?
Só que a pessoa aqui consegue ser doida o suficiente e vai fazer outra coisa e acaba esquecendo isso. Eu canalizo esses sentimentos para longe e me foco no que me faz feliz, que é fazer todas as coisas que eu gosto de fazer!

Desculpem por esse postagem, gente. Não é um desabafo. É só uma manifestações das coisas que engasgam na minha pessoa e eu sinto necessidade de pôr para fora e assim, só soltando mesmo. =D

2 comentários :

gih disse...

Ane, que é isso garota??? Fica assim não. Eu nem dou muita bola sabe??? Também não tenho mts curtidas e td mais no meu facebook, mas não esquento muito com essas coisas. Quem eu quero está bem pertinho. E saiba que aqui do outro lado, tem alguém que gosta um bucadão de você. Me adiciona no face, assim trocamos figurinhas lá também <3
Aliás, muito bacana essa sua ideia do evento. pq n traz algumas fotos para a gente? Beijooos
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

Francine Porfirio disse...

Ane-linda,
Ninguém deve acreditar mais em você do que você mesma. Mas entendo que isso pode não ser suficiente sempre… Quando comecei a escrever meu livro, estava toda empolgada. Contei para um dos meus melhores amigos (que curtem muito ler) e sabe o que aconteceu? Logo depois ele passou a escrever o livro dele e trouxe para eu ler. Sério… foi desanimador. Eu trabalho o dia inteiro e estudava na época. Fora isso, sou casada e tenho uma casa (e um marido) para cuidar. Não tinha tempo para escrever, mas ele tinha. Não demorou nada para que logo ele tivesse até me ultrapassado em número de páginas. Eu fiquei feliz por ele, mas foi um balde de água fria.
Eu passei num concurso literário em 2013 e ganhei o direito a uma publicação, lembra? Em 2014 estava finalizando-a quando adoeci. Fiquei meses entre sintomas dolorosos, idas ao médico até – finalmente – ir para a cirurgia. Não consegui terminar o livro dentro do prazo que me deram. Só pude agradecer e perder aquela chance.
Menina, isso me derrubou. Sendo blogueira literária, vejo autores que em poucos meses saem com seus livros prontos e ganham o mundo. E fico feliz por eles, mas também me pergunto: quando chegará a minha vez?
Eu estou torcendo para que seja em 2015, mas confesso que parei de cobrar a mim mesma. Encontrei um autor que em uma entrevista foi questionado sobre qual dica poderia dar aos novos escritores. Nossa, as palavras dele me foram um bálsamo. Ele disse que publicou seu primeiro livro depois dos 30, mas que não se arrependia. Disse que não devemos nos "apressar", porque a cada ano que vivemos adquirimos mais experiência e melhoramos a nossa escrita. Ele falou que a escrita dele HOJE é diferente da escrita de ANTES e que isso, com certeza, torna o livro ainda melhor do que poderia ser.
Estou me apegando a essas palavras, flor. E estou torcendo para que você se apegue também! Talento você já tem… Só precisa agora redirecionar seus objetivos para onde deseja chegar.

Conte comigo.

Beijos!
http://www.myqueenside.blogspot.com