Resenha #34: Destinos de Papel

sábado, 2 de setembro de 2017

Olá, pessoal!
Cá estou eu, com mais um resenha e mais uma de um livro nacional.
Acho que eu sempre gostei mais da literatura nacional, mas isso ficou mais evidente quando comecei a resenhar livros para o blog. haha
O livro que falarei hoje será o Destinos de Papel da Luciane. Também já resenhei outro livro dela por aqui: Tenshi - Um anjo sem asas.
Eu ganhei o livro no sorteio do grupo da própria autora no facebook. Ganhei-o autografado e até com marcadores. haha



Bem, sem mais delongas, vamos a sinopse e depois falo mais sobre o que achei do livro.

Sinopse: Rebeca tem algumas regras que sempre costuma seguir à risca. Ou melhor, quase sempre.
Bem, na verdade, seguir regras não é exatamente o seu forte.
Com o coração partido por um trauma do passado, ela vive a vida como se não houvesse amanhã, nunca se apegando a ninguém e sem se preocupar com seu futuro.
Mas tudo muda quando consegue estágio de Psicologia em uma grande escola, passando a ser uma espécie de conselheira para os alunos. Uma grande ironia, uma vez que ela sequer consegue aconselhar a si mesma. Sua principal paciente, Júlia Nakagawa, é uma garota-problema que detém o estranho dom de prever o futuro ao tocar nas pessoas.
Mas não é apenas Júlia que entra na vida dessa jovem desmiolada. Um grande amor também se faz presente, abalando suas estruturas e fazendo com que sejam desrespeitados os limites que ela mesma impôs para si.
Porém, Júlia parece conhecer um segredo que pode mudar a vida de muitas pessoas, inclusive a de Rebeca. Para sempre.

O que falar sobre Destinos de Papel?
Admito que não sou a melhor resenhista da vida e nem da internet, mas de uma coisa podem ter certeza: sou sincera nas minhas resenhas.
O livro conta a história de Rebeca, ou só Becca, uma garota de 19 anos, estudante de psicologia e uma das personagens mais loucas e divertidas que já conheci.
Gente, a Becca é muito eu nessa vida! Em vários momentos do livro me peguei rindo do que ela fala, ainda mais quando ela se perde nos próprios pensamentos e as pessoas estão falando com ela e acabou não escutando nada.
Becca é uma pessoa que já passos por muitos traumas na vida, a começar pela mãe que a abandonou e só dá notícia quando quer. O pai é alcoólatra. E sua melhor amiga de infância, Luana, se suicidou quando elas tinham uns 13/14 anos. Rebeca nunca absorveu muito bem isto, mesmo depois de tantos.
Após um prólogo que mostra a infância de Becca com Luana - que é muito fofo, a propósito - já entramos em um capítulo que é o ápice do livro. Mas, calma, a gente volta tudo e vai de onde começou. Só que adorei esta jogada de botar a gente já no momento tenso que só volta perto do final do livro - por que ele é o clímax, não é mesmo? -, é algo que eu faria com certeza.
Enfim, Rebeca nunca foi um exemplo de aluna, nem no ensino médio e menos ainda na faculdade. Ela falta diversas aulas e para ela está tudo bem.
Só que surge uma proposta de estágio para ela (só em livro que aluno de primeiro período ganha estágio, porque na vida real...), indicada por Laura, irmã de Luana e terapeuta da Becca. É para trabalhar numa escola e auxiliar os alunos. E claro, Rebeca adora escola e "pirralhos", como ela mesma diz.
No dia seguinte, ela vai a até a escola e aceita o estágio, mas mais pela grana do que qualquer outra coisa. E ainda arruma crush! (#SomosTodosBecca)
A função de Rebeca é ser psicóloga auxiliar, já que a escola tem psicólogo, que é um senhor do muito fofinho, recebendo alunos quando eles se envolverem em algum problema e também tem a paciente fixa, que é Julia Nakagawa. Uma adolescente "Gótica e trevosa".
Só que Júlia é uma garota problema, por conta de ter um poder especial. Ela é capaz de prever o futuro das pessoas. E assim que conhece Becca, ela vê que seu futuro e o dela estão entrelaçados.
E temos um estranha relação começando.
Todos os personagens do livro são maravilhosos, a começar pelo Lucas, nosso crush. (Só não supera Shimada-sensei em meu coração.)
E é legal ver o quanto a Rebeca muda no decorrer do livro, porque ela tem algumas regras que segue em sua vida - e que dão nomes ao capítulos - mas, a principal é: Não se apegue.
Por conta desta regra principal, todos os relacionamentos dela são superficiais, pois ainda há nela o medo de se envolver e acontecer como aconteceu com sua melhor amiga.
Destinos de Papel ensina que o nosso destino é tão frágil e mutável quanto uma folha de papel, só cabe a nós saber o que fazer ele, a forma como vamos escrevê-lo, rasgá-lo, pintá-lo, amassá-lo.
Parabéns, Luciane Rangel por mais um livro maravilhoso!

Bem, esta foi mais uma resenha aqui do blog. Espero que tenham gostado.
E como gosto de fazer algumas vezes, temos resenha em vídeo também.
Até a próxima!



1 comentários :

Luciane Rangel disse...

Sua lindaa! Morri de amor com a resenha (e principalmente com o vídeo. Você é uma fofura <3 )
Fico feliz que tenha curtido a dodinha da Rebeca e sua história <3

Muitos beijos e obrigada pelo carinho S2