Resenha #29 - JAM!! As Justiceiras

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Olá, pessoal! Mais uma resenha hoje no blog. E de mais um mangá.
E além de ser oneshot ainda acho que ele é underground. (Eu me sinto a rainha do cult algumas vezes. haha)
Devo ter comprado esse mangá na bienal de 2009 talvez, tem muito tempo, naquelas promoções de 3 por 10 sabe? Vou deixar uma "sinopse" e depois falo sobre. (É um trecho dentro do mangá que fala melhor sobre a história mesmo.)

Sinopse:
JAM!! As Justiceiras traz as aventuras de duas detetives meio diferentes. 
Mina Inugami é a mais maluca da dupla, nunca larga de sua arma e não leva desaforos para casa; por ser muito habilidosa e, ao mesmo tempo, bonita (duas coisas que quando combinadas tornam-se uma arma mortal). Ela também é chamada  de Inugami - A Deusa Mortal.
Mairin Ran, carinhosamente conhecida como Mai, é toda atrapalhada, mas, ao mesmo, tempo, também é super-habilidosa. Nasceu numa família de criminosos, mas mudou de lado depois de conhecer sua parceira, desde então elas tornaram-se amigas inseparáveis, mesmo brigando a todo momento.

JAM!! é um mangá de volume único que foi publicado pela Opera Graphica em 2002. Ele é bem aquele estilo de mangás anos 90, com uma pegada de comédia e ação.
Temos duas protagonistas na história: Mina e Mairin. Elas são realmente bem diferentes uma da outra. Mina é mais porra louca e a Mairin segue mais a linha kawaii mesmo.
As duas são detetives particulares e tem o seu próprio escritório, que é o Escritório de Investigações Inugami. O mangá conta algumas de suas missões de trabalho e acreditem, elas são chamadas para as coisas mais inusitadas, definitivamente não é nada que detetives comuns fariam.
São histórias bem curtinhas e em alguns acabam sendo corridas até demais, mas dá para dar uma risadas. Ainda mais das coisas da Mina fala. Eu diria que ela é meio Yusuke Urameshi nesse ponto, ou melhor, Shizuru Kuwabara (irmã do Kuwabara).
Quem assistiu Yuyu com certeza vai se identificar com as traduções que fizeram para driblar a censura. Então existem muito pérolas presentes aqui.
As histórias vão desde uma missão de rua, a desativar uma bomba em uma festa, salva uma menina sequestrada, buscar um anel misterioso (esse que faz parte da família da Mairin) e até o dia-a-dia mesmo. Esse parte fica nas "extras", só para rir mais ainda. Um exemplo é quando elas vão almoçar num restaurante e uma das garçonetes diz que Mina está amaldiçoada. ahhaha Tem um espírito em cada membro praticamente!
Adoro (porque já li mais de uma vez né?) o jeito diferente entre as personagens, mesmo com poucas páginas a gente sabe bem sobre as personalidades. E essa diferença entre ambas é muito divertida e também as faz ter outras funções nas missões, elas se complementam muito bem. São shippáveis admito! Rola um Yuri ali, certeza!
É um mangá para uma leitura descompromissada e que cura uma ressaca literária.
Uma pena que por ser um mangá antigo, a qualidade dele é um pouco inferior, mas isso não interfere em nada na experiência de leitura.

Bem, pessoal!
Essa foi a resenha de hoje. Por que eu faço resenhas tão curtas não é mesmo?
Até a próxima!


1 comentários :

Gislaine Oliveira disse...

Oi, Ane. Tudo bem?
Eu ainda desejo ler mais mangás, mas sou chata com eles. Como sou com tudo, mas enfim ahahhah
Não gosto de mangá com páginas brancas, nem com muitas falas e descrições. Tem uma editora só que comprei até agora e curti. mas não lembro o nome :P
E esse eu ainda não conhecia. E se é antigo, dificilmente comprarei porque não tem na banca hahahha
beijooos
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/