Mulheres

terça-feira, 10 de março de 2015

(Aproveitando que dia 8 de Março passou tem pouco tempo.)

Dia 8 de Março foi o nosso dia, me incluindo nessa, o dia das mulheres! E eu como a feminista que sou, tive que vir aqui fazer um texto em homenagem. haha
Não só para as personagens, mas também as mulheres de verdade.
Olha, não existe ser que aguente mais críticas do que a mulher. Qualquer coisa que fazemos ou deixamos de fazer já é motivo suficiente para soltarem uma abobrinha.
Acho que nós, que somos as próprias, sabemos como é. Falam da roupa, do cabelo, das nossas atitudes.
Mas acho que isso seja realmente um mal da nossa sociedade: Julgar... E sem saber os motivos!
E não, definitivamente, as mulheres não são frágeis.
Ter que aguentar críticas de todos os lados, andam de salto alto, a dor do parto. Podia ficar aqui listando e listando mais coisas.
As mulheres são tão capazes de fazer as coisas quanto os homens são. Basta ela apenas querer fazer isso!
Ela pode brandir uma espada; segurar uma arma; dar uma surra; etc, etc...
Mulheres também são seres humanos, com vontades e inteligência.
É uma pena que elas ainda sejam tratadas como inferiores em algumas culturas e que as desigualdades entre os sexos ainda existam.
Mas uma coisa que mulher sabe fazer é aguentar o tranco e lutar por seu espaço e para que essa igualdade finalmente chegue.
Parabéns, mulheres, por serem apenas vocês mesmas!

Complementando com trecho meu:
"Esse texto é uma representação para mostrar que não importa que tipo de mulher você seja, seja você mesma! Não duvide de sua capacidade para fazer algo, somos tão capazes quanto os homens. Acredite! 
Também podemos ser a musa ou a inspiração de alguém. Até de si próprias. 
Enfim, feliz dia da mulher a todas nós! Somos lindas e divas!"

(Reunião das mulheres de Anelândia)

Deixando para vocês o meu programa de rádio, Banheiro Feminino, que eu faço com as amigas da faculdade. Nesta edição falamos sobre Dia Internacional da Mulher e mais uns outros assuntos relacionados ao feminismo e as mulheres. Confiram!

2 comentários :

gih disse...

Oi Ane, tudo bem? Gostei bastante do sue texto. Aqui na minha cidade, nós fizemos um sarau. Que por sinal, eu nem pude ir e tal.
Achei legal a ideia do programa da rádio. Mas confesso que não concordo com tudo o que foi dito. E aliás, nem deveria né? heheh. A Seleção pra mim, é um dos livros mais machistas da atualidade. Que eu me nego, me nego a ler.
E também não concordo que devemos encontrar um ícone para nos representar. Cada mulher é unica. Cada uma é representada por ela mesma. Não tem essa de estereótipo. Tem mulher que é forte. Mas tem mulher que é mais frágil mesmo. Mulher que gosta de flores e tudo mais.
E sendo bem sincera mesmo, acho que a literatura tem pecado muito, muito mesmo. Cada vez mais, temos as meninas indefesas, procurando um homem para resolver seus problemas (principalmente nos romances) .
Mas acho que com calma e luta, muita, muita luta, ganhamos o espaço. Eu, graças, nunca passei por uma situação machista, mas ele está aí por todos os lados. E eu acredito sim, que nós devemos aprender a nos defender. Bem, como você já deve ter percebido, esse assunto, tem muito pano pra manga né??? heheh
Encerro por aqui então. Um beijão
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

Francine Porfirio disse...

Ane-linda,
Parabéns (atrasado) pelo Dia da Mulher. Concordo com o que disse, sobre as mulheres sempre sofrerem críticas. Infelizmente, nossa história é machista e, por isso, a compreensão sobre o comportamento feminino pode ser limitada pelo preconceito popular.
Apesar de concordar com você, flor, não sou feminista. Na verdade, penso que estamos vivendo um momento histórico no qual o papel da mulher está se transformando – e confesso que não estou gostando do resultado. Veja, no passado, o papel da mulher era muito claro. O homem trabalhava fora de casa e sustentava a família. A mulher cuidava do lar. Ponto. Com o tempo, a mulher passou a fazer o mesmo que o homem (o que é ótimo, claro). Mas vejo que já não temos algo que nos defina, realmente, como mulheres. O que nos diferencia dos homens? A maternidade? Eu acho que precisamos resgatar alguns valores, sabe? Vejo que as mulheres estão cada vez mais perdendo sua feminilidade, sua delicadeza, em troca de se tornarem "iguais aos homens". Não somos iguais – e nem quero ser! O organismo feminino não é feito para suportar o que o organismo masculino suporta. E não me envergonho disso. Por que me envergonharia de uma herança genética que é própria da nossa espécie? Acho que o Dia da Mulher deveria servir para refletirmos que tipo de mulheres nossa sociedade está formando. Vejo garotas que não sabem se portar com decência, não sabem se expressar com doçura, não sabem se vestir com elegância. São rudes. Perderam o encanto que a feminilidade possui naturalmente. Enfim, desculpe o desabafo… Adoraria ter participado da sua rádio! Haha.

Beijos!
http://www.myqueenside.blogspot.com.br