Resenha #18: Ai no Kusabi - Vol. 1

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Finalmente mais uma resenha no blog. Dessa vez é de um livro que queria ler tem anos, só por causa do anime maravilhoso que foi feito dele. Porém, meu inglês não é lá essas coisas e esperei sair pelo menos uma tradução em português, que foi feita pela Antique Manga e pela Livraria Mizukis.
O livro que comecei a ler em janeiro e fui acabar agora em Dezembro, mas foi por conta de que parei a leitura e fui ler outras coisas.
Depois da sinopse, a resenha. :3

Sinopse: Ceres, uma cidade sem éticas ou tabus, governada por instintos e desejos. Existem favelas – imutável, eterno, lar para os pobres, almas enjauladas golpeadas com uma melancolia perpétua. Depois de três anos, Riki inesperadamente retorna à Ceres, mas nem tudo está bem. O “Carisma” das favelas é um homem mudado. Confrontado com a suspeita crescente de que perdeu a fagulha, e assombrado pela memória do que aconteceu durante esses três anos longe das favelas, Riki se vê puxado para dentro da guerra de gangues, como tentativas rivais de acabar com sua gangue antes que possam se reagrupar sob o seu recém-retornado-líder. E depois há o assustadoramente frio homem, lamentavelmente um dia ele encontra por acaso: o belo Iason Mink. Que segredos estão por trás do sorriso do sedutor Loiro? [Por Antique Manga]

Por onde eu devo começar? Gente, acho que essa resenha não vai ser suficiente para vocês entenderem o quanto eu amei esse livro. Eu já era loucamente apaixonada por essa história só por conta do anime, o livro só fez com que isso aumentasse, e com que eu passasse a amar a autora de paixão e admirá-la de uma forma. Vocês vão entender quando eu falar!
A história se passa no mundo de Amoi, um mundo onde a classe social é definida pela cor de cabelo. Loiro é o mais alto e castanho, o mais baixo. (Isso tem no anime também.) Um mundo onde maioria da população é masculina, e são apenas que vivem nas ruas. As poucas mulheres já são direcionadas para a reprodução. O planeta é comandado por um super computador chamado Jupiter, com ajuda de um conselho de Blondies. (Os Loiros.)
Os Loiros tem seus pets, que são pessoas destinadas apenas para isso. Os donos dos pets decidem tudo sobre a vida dos mesmos, com quem vão casar, ter filhos, etc. E eles são produzidos apenas para isso. (Meu triste dizer isso, mas é a realidade do livro.)
Com um foco maior em Riki e Iason, um pet mestiço e um Blondy. Riki é um pet que foi "adotado" por Iason. A forma como eles se conheceram não é explicada no livro, mas eu sei o quê é, por vi no anime. (Se não mudaram nada.) Riki fica três anos sobre o poder de Iason até que finalmente ele lhe dê liberdade total de novo.
Maior parte do livro se passa no período pós-libertação do Riki. Mostra-o voltando, ou tentando voltar, a sua antiga vida, com a gangue Bison. Mas ele não é mais o mesmo de antes e nem o lugar é mais o mesmo. Jeeks e Maddox brigam entre si e contra a Bison que só tem uma reputação antiga.
Foi uma boa apresentação da história. Conseguimos entender mais dos personagens, das gangues, do mundo em volta.
Eu sinceramente estava esperando um livro de yaoi, com o lemon até as últimas alturas. haha
Sim, é um livro de yaoi, porque maioria dos personagens são homo sim. Diria até por falta de opção mesmo, porque só tem homem. haha Mas eu encontrei um livro com pitadas de yaoi, de um jeito até romântico, e com um enredo incrível. Nada nesse livro é só por ser. Só porque é yaoi e tem que ser assim!
O que mais me chamou atenção foi quando a autora parou os acontecimentos para explicar como o mundo funcionava e isso explicou o porquê de haver poucas ou nenhuma mulher na história. Lá no "histórico de leitura" eu falo o que é. Mas é que as mulheres são logo encaminhadas a reprodução.
Gostei de ver a briga das três gangues: Bison, Maddox e Jeeks. Eles brigam para ter o domínio das favelas de Ceres. Gostei de ver que os amigos de Riki notaram que ele estava diferente depois do três anos em que sumiu. Não tinha mais aquela energia de juventude, acabara perdendo isso.
E tenho que citar um detalhe engraçado. O nome do blondy maravilha demora cem páginas para ser citado. Então, quem for ler o livro sem saber do que se trata, vai achar que é só um cara loiro. Mas Iason é O BLONDY. (Deus dos Semes!) Nas duas partes da história em que aparece ele rouba a cena completamente para ele. No primeiro capítulo e no quarto. Ele é capaz de mexer com o Riki de uma forma que... Olha. Riki congela total! haha
E por muitas vezes minha leitura foi um pouco perdida por conta da linguagem um pouco mais formal do livro. Relia frases umas cinco vezes antes de entender.
Como a tradução é fanmade (feita por fãs) tem uns erros aqui e ali, mas não é nada que torne o texto incompreensível. Dou desconto porque é coisa de fã!
O livro também não "fecha", mas isso eu também compreendi. Ai no Kusabi era publicado semanalmente na revista yaoi Shousetsu June. Os capítulos são contínuos. Só muito depois foram compilados em livros, então eles partiram do jeito que melhor ficaria. Esse livro é dos capítulos 1 ao 6. Mas isso não é o fim do mundo!
E eu amei o posfácio da Rieko no final. Sua linda!
Quero agradecer as equipes do  Antique Manga e da Livraria Mizukis por trazerem a obra traduzida em português aos fãs. Que continuem com o ótimo trabalho!

Histórico de leitura, com cada capítulo mais detalhado. (Cliquem para ler melhor e leiam de baixo para cima.)

 E claro, um dos melhores momentos trechos do livro. AI IASON! SOCORRO!
Bem, pessoal! Essa foi a resenha. Espero que tenham gostado! :3

1 comentários :

gih disse...

Oii Ane, tudo bem???? Gostei de conhecer esse mangá, mas sei que não lerei :P Ler pelo PC para mim é um inferno :( E eu só estou podendo comprar mangás volume único hahaha. E eles são bem dificeis de achar. Eu toda feliz esses dias, comprei um, achando que era volume único e quando eu vi, aquele era o volume 18 ahhahaha. Antaaaaaaa kkkkkk
Beijoooos
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/