Resenha #7: O diário da Clarinha

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Lá vou eu falar de mais um livro aqui no blog.
E hoje será O diário de Clarinha. Eu já conhecia o livro, pois o li quando era mais nova. Resolvi ler de novo para poder resenhar ele para o blog.
Falarei o que achei após a sinopse.

Sinopse: Clarinha é uma adorável garotinha, que convida à reflexão, abrindo seu diário e revelando páginas de muita ternura e sensibilidade.
"Li-o com toda a atenção; e com o indispensável equilíbrio entre o coração e a razão. Com o coração, porque captei toda sensibilidade sua derramada nos textos. Com a razão, porque deduzi o valor pedagógico de sua urdidura, e destinada às almas simples das crianças. A obra lembrou-me O Pequeno Príncipe de Saint-Exupéry. Como também o Fabulário do tão injustamente esquecido Coelho Neto. É digna de edição primorosa com gravuras sugestivas e coloridas. Como diz o conto da "Camisa nova", você se deu um presente e a todos nós também. Mas espero que não escreva essa minha justa apreciação na areia... como no conto do mesmo nome. "A Janela" e "As Flores" encerram profundas lições para a vida cotidiana educativa e escolar."
Ney Lobo ( Escritor, professor e filósofo.)

O que dizem deste livro?
Ele é infantil sim, mas isso é só um detalhe. Esse livro tem um brilho e uma simplicidade maravilhosa ao mesmo tempo!
O livro é narrado pela nossa protagonista, a Clarinha, escrevendo (e conversando) no seu diário. E ela conta várias passagens de sua vida, seja sobre os seus problemas na escola ou até com as amigas.
Cada capítulo do livro é bem curtinho e traz uma ótima lição.
Esse livro é bem no estilo de um outro livro que eu amo, que é E, para o resto da vida...
O próprio autor, Cezar Braga Said, afirmou que se inspirou neste para escrever a Clarinha.
É um livro bem leve, para um leitura descompromissada. E você realmente aprende algumas lições sobre a vida com ele.
É bem legal poder se integrar a vida dela e a família dela que são o pai, a mãe, e dois irmãos: José e Chiquinho.
E a Clarinha conversa com o diário dela da mesma forma que está conversando com a gente. Muitas vezes você se pega rindo das coisas que a Clarinha fala. É uma infância inocente. Bate até falta da minha!
Eu gosto bastante dele e recomendo a todos que o leiam. Pode até ser um livro espírita (eu sou espírita tá?), porém ele não pode ser desmerecido por isso. As mensagens que ele passa são muito legais.
Vou deixar um trecho da história para vocês. Olha, foi difícil escolher!

"-Sempre que alguma tristeza estiver machucando o coração de vocês, abram uma janela, sonhem, viajem para todos os lugares que têm vontade e, com certeza, quando voltarem, estarão bem mais alegres. Mas não esqueçam que a verdadeira janela está dentro da gente e é ela que deve estar sempre aberta e nunca fechar, a janela da alma." (Pág 79)

Espero que tenham gostado! :3

3 comentários :

gih disse...

Oiii Ane. Eu não conhecia o livro ainda, mas gostei de conhecer. Alguns livros infantis, trazem muitas boas lições para as nossas vidas. Eu adoro muito. Grande beijo
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

Ricardo Biazotto disse...

Nunca li algo espírita, mas participei de uma feira e conversei com um especialista no assunto, o que me deixou surpreso ao saber da importância do gênero para o mercado.
De qualquer forma, o livro parece ser muito interessante por uma série de motivos, mas em especial pelas mensagens. Acho que elas são essenciais em todo e qualquer tipo de livro infantil.

Beijos,
Ricardo - www.overshockblog.com.br

Francine Porfirio disse...

Que livro interessante! Eu gostaria de lê-lo. Não li nenhuma literatura espírita, mas tenho certeza de que gostaria de aprender com a Clarinha sobre como podemos viver melhor. Livros infantis podem carregar enormes significados para todos os tipos de leitores com sensibilidade para identificá-los. :)

Sua resenha foi muito leve, flor. Da mesma maneira que o livro, tenho certeza (rs).

Beijos!
http://myqueenside.blogspot.com.br/