O dom da palavra

sábado, 2 de agosto de 2014

Será que dom da palavra nasceu comigo? Ou será que fui eu que o conquistei? Difícil dizer!
Eu aprendi a escrever e a ler como qualquer outra pessoa: na escola.
Descobri novas palavras do mesmo jeito que todo mundo: Lendo, ouvindo alguém dizer.
Contudo, acho que eu aprendi a usá-las de uma maneira diferente com o passar dos anos.
Costumo dizer os escritores sabem como manipular as palavras e utilizá-las ao seu favor.
Acabei sabendo fazer isso pelo simples fato de fazer. Eu saia escrevendo, escrevendo o que eu queria, o que me dava vontade e não mostrava a ninguém isso. Até porque, quem leria?
Podiam ser ideias bobas, mas eu dava vida a elas. E conforme mais eu fazia isso, mais eu melhorava a minha escrita. Tudo era mesmo questão de prática.
Eu posso não ser a melhor escritora do mundo agora, porém já tive um enorme avanço desde o início.
Posso até ter nascido com o dom de conseguir me expressar de um jeito diferente, só que o de usar as palavras para tal, acredito eu, aprendi justamente pela tentativa/erro.
E uma observação, eu estou falando apenas da palavra escrita mesmo, porque na falada é uma complicação que só! Embola uma palavra na outra e eu pareço uma tonta falando.


1 comentários :

Francine Porfirio disse...

Minha flor,
Adoro essas suas reflexões. Eu acredito que se expressar por meio das palavras é um dom que nem todas as pessoas possuem, mas que todas poderiam ter. É preciso primeiro ter sido vítima dos sentimentos e das imagens que as palavras evocam para, somente então, tornar-se alguém capaz de produzir seus efeitos por meio de criações próprias. <333

Ah, eu li no seu comentário sobre estar na antologia da Andross! Assim que ela for publicada, vou adquirir um exemplar para ler o seu conto. :D Não deixe de me avisar, por favor.

Beijo carinhoso, Ane-flor!

http://www.myqueenside.blogspot.com